Quero discutir reforma tributária nos Estados, diz Mantega

Ministro diz que está aberto ao diálogo e que não conseguiu 'cobrir todos os 27 governadores' sobre a proposta

Adriana Fernandes, de O Estado de S.Paulo

11 de março de 2008 | 13h25

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta terça-feira, 11, que a proposta de Reforma Tributária deve ser aperfeiçoada pelo Congresso. "Mas tem uma espinha dorsal boa", comentou. Ele disse que está totalmente aberto ao diálogo com os governadores para discutir as implicações da proposta em seus Estados.   Veja também:    Proposta de reforma tributária é para valer, diz Múcio  Após reunião, oposição se diz 'cética' com proposta de reforma Veja os principais pontos da reforma tributária    Mantega fez uma "mea culpa" por não ter tido diálogo com o governador Paulo Hartung sobre a proposta de reforma tributária encaminha pelo governo ao Congresso há duas semanas. "Eu me penitencio por não ter tido um diálogo direto. São 27 governadores e eu não consegui cobrir todos os governadores", afirmou.   Durante sua apresentação a integrantes do PMDB, o governador Paulo Hartung afirmou, com ironia, que aquela era a primeira vez que estava ouvindo a proposta de reforma tributária.   O ministro ponderou que a proposta tinha sido apresentada e discutida mais de dez vezes no Conselho nacional de Política Fazendária (Confaz) - órgão integrado por todos os secretários estaduais de Fazenda. "Acredito que o secretário de Fazenda do Espírito Santo tenha discutido a proposta no Confaz", comentou o ministro.   Sobre a preocupação do governador com relação às perdas de receita na produção de gás natural, o ministro disse que é claro que o estado tem o direito de ter a compensação.   Ele  procurou tranqüilizar as inquietações manifestadas por Hartung em relação ao Funde de Equalização de Receitas (FER). Segundo o ministro, este fundo terá regras claras e simples.

Tudo o que sabemos sobre:
Reforma tributária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.