Quero candidatura única entre PSDB e DEM, diz Alckmin

'DEM e PPS são nossos aliados. Se pudermos estar juntos no 1o turno ótimo, senão tem 2º', diz ex-governador

08 de abril de 2008 | 18h51

O ex-governador de São Paulo e pré-candidato a prefeito da capital paulista Geraldo Alckmin disse nesta terça-feira, 8, que gostaria de contar com uma candidatura única entre PSDB e DEM para a eleição municipal. Ao ser questionado se a subida da pré-candidata do PT Marta Suplicy fortalecia a tese da união entre PSDB e DEM, respondeu: "É óbvio que se nós pudéssemos, ou pudermos estar juntos no 1o turno, e vou trabalhar por isso, melhor. O DEM e PPS são nossos aliados. Se pudermos estar juntos no 1o turno ótimo, senão tem segundo turno".   Veja também:  Alckmin diz que não se preocupa com pesquisa eleitoral  Marta lidera com 31% da intenção de votos em SP, diz Ibope Serra e Kassab fazem ato por aliança PSDB-DEM em inauguração     Destacou que vai trabalhar pela candidatura única sem provocar "constrangimentos" nos aliados e promovendo as conversas entre os partidos e não pessoais.   Para Alckmin, a indefinição sobre a candidatura única não "ajuda", mas também não é "tão grave". "O importante é ter uma boa decisão e que ela una o partido", afirmou. O ex-governador paulista fez uma breve passagem na reunião da bancada do PSDB na Câmara dos Deputados que assistiu à palestra do ex-diretor do Banco Central Ilan Goldfajn.    Ao chegar, já no meio da palestra, Alckmin foi chamado à mesa pelo líder do partido na Câmara, deputado José Aníbal (SP), e fez breve discurso em que atacou o governo Lula, dizendo que a atual gestão perdeu oportunidades de melhorar mais o País, aproveitando a conjuntura internacional favorável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.