Queremos que Brasil deixe de ser emergente, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje, durante discurso no Congresso Nacional, que as propostas de reforma tributária e previdenciária não são "para fazer favores para uns ou prejudicar outros". Segundo o presidente, as reformas têm como objetivo fazer com que o País "deixe de ser emergente e em vias de desenvolvimento para ser desenvolvido e conquistar espaços que já deveriam ter sido conquistados no mundo globalizado". Lula admitiu que os quatro anos de mandato são curtos para fazer tudo aquilo que pretende para o País. Entretanto, ressaltou que, nesse tempo, se dedicará integralmente para fazer tudo aquilo que sempre desejou. O presidente citou projetos como a transposição das águas do Rio São Francisco, que tramitam há muito tempo no Congresso. Lula disse ainda que todas as reformas que forem propostas pelo Executivo serão encaminhadas ao Congresso de forma democrática. Apesar de salientar que o Congresso terá "todo o tempo que quiser" para debater as propostas de reformas entregues, o presidente deixou um conselho aos parlamentares: "se não votarem neste ano, o próximo ano terá eleições e tudo fica muito mais difícil de ser votado". Durante seu discurso, Lula fez a entrega solene das duas propostas ao presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha, e ao presidente do Senado, José Sarney. João Paulo disse que recebia as propostas "com paz e amor", referindo-se à uma frase dita minutos antes pelo presidente de que, com certeza, seus quatro anos de mandato não seriam "de paz e amor" todo o tempo. Ao fazer esse comentário, Lula disse aos parlamentares presentes que qualquer um que tivesse "bronca" com o governo teria a liberdade de chamá-lo para resolver os problemas, "conversando com muita tranquilidade". O presidente também destacou que não tem importância que um deputado seja de oposição ou que fale mal do governo. "O que não vale em política é prejudicar 175 milhões de pessoas por conta de uma próxima eleição", afirmou. "A sorte está lançada e o povo espera de nós. Eu espero apenas que cada um cumpra com os seus compromissos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.