''''Querem mudar a imagem da realidade e não a realidade''''

"Será que objetivamente essas operações estão trazendo recursos para os cofres públicos?", questiona o criminalista Antonio Claudio Mariz de Oliveira, cético quanto à eficácia das ações integradas PF-Receita. "Entre a autuação e o efetivo recolhimento vai distância enorme. A questão é que não se dá a público o resultado dessas investigações, prisões, buscas e autuações."Para Mariz, o que existe é mero simbolismo. "Querem mudar a imagem da realidade e não a realidade. É tudo um pouco epidérmico, superficial. É uma situação ilusória. O combate à corrupção é mais um simbolismo em detrimento da honra e da dignidade das pessoas. Tudo se exaure com as prisões. Mostra preocupação para o mundo de que no Brasil rico também vai para a cadeia. O rico deve ir para a cadeia sim, mas depois do devido do processo legal."

O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.