Pablo Valadares/AE
Pablo Valadares/AE

'Querem me chantagear, mas não tenho rabo preso' diz Buarque

Senador diz se sentir intimidado com divulgação de que ato teria beneficado sua mulher, funcionária da Câmara

Andréia Sadi, do estadao.com.br ,

22 de junho de 2009 | 15h31

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) disse nesta segunda-feira, 22, pertencer ao "bloco dos indignados" em relação à revelação de atos secretos na Casa e contou entender como "uma espécie de chantagem" a divulgação de um ato que diz que a sua mulher, funcionária da Câmara há 26 anos, aparece "emprestada" ao Senado. "Eu nunca fui intimidado diretamente por Agaciel (Maia, ex-diretor-geral) não, mas eu entendo isso como uma espécie de chantagem sim, de ameaça. E aí ficou citando nomes, o meu, do Pedro Simon (senador do PMDB-RS) querendo me intimidar como se eu tivesse o rabo preso, mas eu não tenho rabo preso", afirmou em entrevista ao estadao.com.br.

 

Veja também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

som ÁUDIO: Sarney fala sobre mudanças moralizadoras

especialAs medidas apresentadas para combater a crise no Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

mais imagens GALERIA DE FOTOS: Sarney discursa no Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

linkSenado tinha atos 'top secret' que nem saíam da gaveta

 

Segundo o senador, na última sexta-feira, foi distribuído um decreto, "um ato de Agaciel", que mostra que a sua esposa, Gladys Pessoa de Vasconcelos Buarque, teria trabalhado algumas semanas na liderança do PDT no Senado, sem gratificação. "Agora distribuíram o ato que ela veio para cá (Senado) mas não o da devolução dela. Como se ela fosse nomeada por aqui. Ela não é nomeada, trabalha na Câmara", explicou.

 

Gladys teria abandonado a função quando mudaram as regras que exigiam que para mudar da Câmara para o Senado era necessário uma gratificação. 

 

No entanto, Buarque afirma nunca ter sido "intimidado diretamente por Agaciel". "Não sei se foi ele. Eu nunca fui intimidado diretamente por Agaciel não, mas eu entendo isso como uma espécie de chantagem sim, espécie de ameaça, mas eu não tenho o que esconder, então eu não tenho problema. Agora eu não sei se foi o Agaciel".

 

Cristovam se disse contrário ao movimento de alguns senadores na Casa de se autodenominarem "bloco ético". "Sou contra este negócio de bloco dos éticos. Eu faço parte do bloco dos indignados, dos raivosos, dos descontentes", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.