Quércia vence na disputa do PMDB paulista

A vitória da chapa Unidade do ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia, ao diretório estadual do PMDB paulista e a virtual vitória da chapa do governador de Minas, Itamar Franco, para a executiva mineira, reforçam a corrente para uma candidatura própria do partido para as eleições presidenciais em 2002. O ex-governador defende abertamente a candidatura Itamar para suceder Fernando Henrique Cardoso. Quércia venceu a chapa apoiada pelo deputado federal Michel Temer, que tinha como presidente o deputado Milton Monti, com 646 votos contra 505 de Temer, num total de 1.156 votos de delegados e membros do diretório, houve 4 votos nulos e dois brancos.O ex-governador e Temer disputam também a preferência do partido para a sucessão estadual no ano que vem. A vitória hoje, segundo as palavras de Quércia seriam "um trunfo" para o vencedor na disputa pela candidatura ao governo. Monti havia dito, no início da tarde, que uma vitória de Temer garantiria sua indicação para concorrer à sucessão em São Paulo.Quércia disse, antes de ser anunciado o resultado, que independentemente da vitória, defende a realização de uma prévia para decidir quem será o candidato. Ele disse também que deve se reunir com Temer para "manter a unidade do partido." Agora a frente do diretório, Quércia deve retomar trativas com a administração petista de São Paulo, no sentido de conseguir o apoio dos vereadores de sua legenda à prefeita Marta Suplicy (PT). Ele insinuou que poderia haver um pacto de não agressão com o PT visando o segundo turno das eleições estaduais. Os diálogos sobre apoio na Câmara Municipal foram confirmados pelo secretário de governo de Marta, Rui Falcão. Com relação a acordos para as eleições, Falcão ressaltou que é responsabilidade da executiva estadual do PT. Quércia contou ainda que teve conversas preliminares com o PFL sobre um eventual acordo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.