Quércia aposta no horário eleitoral para subir nas pesquisas

O candidato ao governo do Estado pelo PMDB, Orestes Quércia, acredita que com o segundo maior tempo de transmissão de horário eleitoral em São Paulo conseguirá "preparar um bom programa" e "mudar as coisas que são mostradas nas pesquisas". Quércia admitiu que está atrás na disputa contra José Serra (PSDB) e Aloizio Mercadante (PT) por ter lançado muito tarde sua candidatura. No entanto, avaliou que o bom tempo de televisão conseguido com a aliança com o PP e que noventa dias de campanha são "suficientes" para "ir para o segundo turno e ganhar". "Eles (Serra e Mercadante) levam vantagem de ter o candidato a presidente, de ter governo. Mas eu levo vantagem por ter mais experiência na administração", disse Quércia, que foi governador entre 1987 e 1991. O candidato peemedebista adiantou que um dos motes de sua campanha será a crise de segurança no Estado provocada pelo PCC em maio, mas "sem desmerecer os demais, que têm o seu valor também". "Hoje o grande problema é a segurança e as pessoas sabem que é importante ter um pouco mais de experiência nisso", prosseguiu Quércia na abertura da Francal (Feira Internacional de Calçados) realizada no Anhembi, em São Paulo. "Vou lembrar que no começo do meu governo era 50% da preocupação com segurança. Quando terminei o governo era 8%. Fiz um investimento grande em segurança, houve comando, não havia problemas maiores", cutucou, emendando que no seu governo "não havia Febem". "A Secretaria do Menor tirava as crianças da rua", justificou. O peemedebista afirmou que também usará os números de sua gestão em saúde, em educação e na habitação para conquistar os eleitores. "Eu criei o CDHU", enfatizou. Quércia deixou escapar que seu grande adversário em São Paulo deverá ser mesmo José Serra. "Aparentemente o Serra, mas ninguém sabe, às vezes muda tudo, ninguém sabe", tentou corrigir em seguida. CampanhaQuestionado se sua presença na feira não configurava campanha antecipada, Quércia foi evasivo. "Fui convidado, sou francano também. Sou presidente da Associação dos Produtores de Café Especial da Alta Mogiana, que é de Franca, de forma que nós temos ligação com essa área calçadista e vamos nos comprometer com a economia de Franca."O candidato elogiou as atuais proibições de campanha, como showmícios e a distribuição de brindes e demonstrou cuidado com as novas restrições, muitas delas ainda não definidas. "Estamos fazendo tudo o possível para analisar bem a legislação e evitar qualquer problema", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.