Mauro Pimentel/AFP/Getty Images
Mauro Pimentel/AFP/Getty Images

'Quem vai invadir o Brasil para salvar a Amazônia?', questiona professor de Harvard em revista

De acordo com artigo publicado na revista Foreign Policy, “é apenas questão de tempo” até que a comunidade internacional intervenha na maior floresta tropical do mundo

João Ker, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2019 | 13h52

O desmatamento da floresta amazônica, que já perdeu mais de 3.445 quilômetros quadrados em 2019, foi tema da revista norte-americana Foreign Policy, que estampa nesta terça-feira, 6, a manchete “Quem vai invadir o Brasil para salvar a Amazônia?”. De acordo com o artigo, é “apenas uma questão de tempo” até que líderes mundiais façam “o que for necessário” para impedir mudanças climáticas no planeta. 

O texto do pesquisador Stephen M. Walt, da Universidade de Harvard, ressalta que 60% da Amazônia pertence ao Brasil e afirma que as políticas do presidente Jair Bolsonaro têm colocado em risco a maior floresta tropical do mundo, responsável por grande parte da absorção de carbono do planeta. Outro ponto levantado é como líderes mundiais, da União Europeia (UE) à Organização das Nações Unidas (ONU), têm colocado o combate à degradação ambiental no topo de suas prioridades nos últimos anos.

“A questão, entretanto, é até que ponto a comunidade internacional estaria disposta a chegar para prevenir, alterar ou reverter ações que podem causar um dano imenso e irreparável ao clima do qual todos os humanos dependem?”, pergunta a publicação, cogitando que, em um futuro próximo, inclusive a ação militar seria aceita nesse contexto.

Esta é a segunda vez em menos de uma semana que a floresta amazônica tem chamado a atenção da mídia internacional. Na última quinta, 1º, a revista The Economist dedicou a capa da sua última edição ao assunto, declarando que a Amazônia está com os dias contados em um “relógio da morte”

"A maravilha natural da América do Sul pode estar perigosamente próxima do ponto de inflexão além do qual sua transformação gradual em algo mais próximo do estepe não pode ser impedida ou revertida", afirmou a publicação semanal.

Na última semana, o presidente Bolsonaro confirmou que havia exonerado Ricardo Galvão, ex-presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), por não ter gostado da forma como o órgão divulgou os dados de desmatamento da Amazônia. “Não é a posição de um brasileiro que quer servir a sua pátria está preocupado com os negócios do Brasil. É lamentável”, disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.