‘Quem usou o meu nome que assuma’, reage deputado

Ele disse que 'não conhece, nem nunca viu ou falou' com os empresários investigados

Fausto Macedo, O Estado de S. Paulo

13 de novembro de 2012 | 23h00

SÃO PAULO - O deputado José Guimarães (PT-CE) reagiu enfaticamente à citação ao seu nome no relatório de inteligência da Operação Águas Claras. Ele disse que "não conhece, nem nunca falou" com os empresários investigados. Negou, ainda, que tenha qualquer influência nas nomeações da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) e disse que "não sabe absolutamente nada, nem da existência" da empresa Allsan Engenharia e Administração Ltda.

"Nunca falei com essa gente", declarou Guimarães. "Eu não tenho conhecimento disso, Se alguém usou o meu nome que assumam o que disseram." O parlamentar petista é taxativo. "Não tenho influência na companhia (Cagece), eu não tenho interferência nessa empresa, nunca acompanhei tramitação de contrato. Meu contato é com o governo do Estado como um todo, mas indicação para a presidência (da Cagece) não é minha. Nem indiquei qualquer dirigente. Não é minha área."

Sobre as menções frequentes ao seu nome, Guimarães reitera. "Pode até ser que citem o meu nome, eu sou um deputado influente no Ceará, tenho relação muito boa com o governador do Estado, mas jamais intermediei negócio. Nem conheço essas pessoas. Eu não tenho contato com esse povo, nunca intermediei nada desse povo. Nunca ouvi falar dessa Allsan." Afirma não conhecer o empresário Reynaldo Costa Filho. "Como é que chama? Reynaldo? Nunca vi na minha vida. Não sei quem é essa pessoa."

A citação sobre propina de R$ 100 mil e a vinculação de seu nome à palavra cueca deixou o deputado indignado. "Conjecturas. Não tem nada a ver uma coisa com as calças. Estão loucos, é até uma sacanagem."

Por seu lado, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) informou que a licitação para contratação da Allsan Engenharia obedeceu o critério do menor preço.

Como foi a licitação? Qual o objeto do contrato com a Allsan?

A licitação foi realizada por Concorrência Pública do tipo Menor Preço, através da Comissão Central de Concorrências (CCC), vinculada à Procuradoria Geral do Estado. Seu valor máximo era de R$ 10.943.754,25 (sendo valor unitário de R$ 0,65). O objeto do contrato é: "Contratação de serviços técnicos especializados de leitura de medidores com faturamento imediato e repasse simultâneo da fatura para capital e interior do Ceará."

Quantas empresas foram habilitadas?

Seis empresas participaram, sendo 4 delas habilitadas.

Qual o valor efetivo do contrato?

O contrato foi assinado com o valor de R$8.949.747,79 , em 24 meses, com preço unitário de R$ 0,59.

Quanto já foi desembolsado?

Em 4 anos, foi desembolsado uma média de R$ 3.884.904,54/ano, equivalente a 6,5 milhões de contas lidas, faturadas, impressas e emitidas em um (1) ano.

Qual o grau de relação do sr. Reynaldo Costa Filho com dirigentes da Cagece?

A Cagece possui uma relação de empresa tomadora de serviços e fornecedor.

O sr. José Albuquerque (presidente em exercício da companhia de água) é amigo de Reynaldo Costa Filho? É amigo do sr. Antonio Alves Filho (diretor comercial)?

Os senhores citados acima não possuem relação pessoal com o sr. Reynaldo Costa Filho.

O deputado José Guimarães é ligado à Cagece? A investigação aponto que pessoas próximas a ele trabalham na Cagece.

A relação do deputado federal com pessoas que trabalham na Cagece deve ser indagada ao próprio parlamentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.