'Quem tem obrigação de colocar 342 votos aqui é o governo', diz petista

José Guimarães afirma que nunca se viu um 'governo tão ruim' como o de Temer

Elizabeth Lopes e Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2017 | 12h06

BRASÍLIA - O deputado José Guimarães (PT-CE ) discursou nesta quarta-feira, 2, na Câmara e disse que nunca se viu um "governo tão ruim" como o do presidente Michel Temer. O parlamentar mencionou a queda de 48% do investimento público, a piora da situação fiscal e ressaltou que a inflação está em retração por causa da recessão.

Guimarães defendeu eleições diretas para escolher o sucessor de Temer e afirmou que a Câmara precisa aceitar a abertura do processo contra Temer. "Quem tem obrigação de colocar 342 votos aqui é o governo", disse ao falar do quórum mínimo para a votação da denúncia. No momento de seu discurso, o painel da casa registrava 300 deputados presentes.

"Não estamos julgando antecipadamente ninguém. Temos um presidente da República que sujou o país", disse ele, ressaltando o aumento do desemprego e a piora das contas fiscais. "Que retomada (da economia) é essa?", perguntou o parlamentar, destacando que a inflação está caindo por causa da recessão.

O deputado cearense disse que nunca viu um presidente "tão incapaz" de administrar o Brasil como Temer e ressaltou que nem os empresários da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) acreditam mais em Temer. "Nossa posição é o enfrentamento. Não vamos dar moleza."

Antes de Guimarães, o deputado Laerte Bessa (PRE-DF) afirmou que é incoerente acusar o presidente Michel Temer e que o maior ladrão hoje no país é Luiz Inácio Lula da Silva. "O país voltou a crescer", disse ao falar do governo de Temer.

Bessa recebeu vaias da oposição durante seu discurso, em que ressaltou ainda que "ratos" foram retirados de Brasília. O parlamentar citou ao falar dos "ratos", entre outros nomes, o do o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci. Ao mesmo tempo, ele questionou qual crime Temer cometeu.

Mais conteúdo sobre:
José GuimarãesMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.