Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Quem tem medo do 'comunavírus'?, gritam bolsonaristas em ato na Avenida Paulista

Pandemia é chamada de 'farsa' por apoiadores de Bolsonaro em São Paulo, que miram Maia, Toffoli e Doria em manifestação

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2020 | 15h40

Apesar da pandemia do novo coronavírus, uma aglomeração de pessoas vestidas de verde e amarelo ocupou a esquina da Avenida Paulista com a Rua Pamplona, em São Paulo. A polícia militar não divulgou à reportagem uma estimativa dos presentes. Além da pequena adesão de manifestantes, muitos dos presentes têm ligação política com o bolsonarismo. 

O único caminhão de som presente exibia o cartaz do Movimento Direita Conservadora. Os gritos entoados pelos dirigentes do grupo pediam a prisão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, e do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

"Quem tem medo do 'comunavírus'?", gritavam os manifestantes. "Cada um aqui vale por dez".

Para alguns dos manifestantes, Doria tentou impedir a realização do ato. "O Carnaval eles não tentaram impedir, a parada gay também não", discursou uma das lideranças do carro de som. O Carnaval e a parada gay ocorreram antes da onda de contágio do coronavírus no Brasil. A maioria dos presentes aplaudia quando a epidemia do coronavírus era chamada de "farsa" e poucos usavam máscara cirúrgica. No Brasil, há 176 casos de coronavírus, segundo boletim divulgado no domingo pelo Ministério da Saúde

A maioria das lideranças do Movimento Direita Conservadora, que manteve o ato pró-Bolsonaro deste domingo, é filiada ao PRTB, partido do vice-presidente Hamilton Mourão.

Vários deles já frequentavam os protestos políticos do País já anos. "Eu e a minha esposa ficamos por meses em 2016 no acampamento pelo impeachment da Dilma Rousseff, como integrantes do movimento Avança Brasil", afirmou Rodrigo Ikezili, marido de Kliohirano Ikezili, pré-candidata à prefeitura de Tupã (SP) pelo PRTB. Ele se referia ao acampamento permanente em frente à Fiesp.

Há pré-candidatos egressos do PSL que deixaram a sigla junto com Bolsonaro.  "Saí e agora estou no PRTB junto com o general Mourão", explicou Giovani Falcone, pré-candidato a vereador de São Caetano do Sul.

De acordo com Gabriel Yacob, um dos coordenadores do Movimento Direita Conservadora, o grupo foi informado que terá que pagar multa por colocar um caminhão de som na Avenida Paulista.

Os líderes do movimento são Wagner Cunha, de Uberlândia, e Sargento Anilo, de São Paulo.

O caminhão de som do Movimento Direita Conservadora anunciou às 16h05 arrecadou R$ 11.800,00 na eventualidade de serem multados por terem colocado o caminhão de som, que estava estacionado na Rua Pamplona durante parte do ato, na Avenida Paulista. Eles alegam que o governador João Doria havia proibido caminhão de som na paulista. A reportagem viu inúmeros simpatizantes do movimento entregando dinheiro na porta lateral do caminhão. A contagem do dinheiro foi transmitida ao vivo pelas redes.

Pouco antes das 16h, houve um tumulto e vários simpatizantes do Movimento Direita Conservadora acusaram uma pessoa que estava em cima do caminhão de sim de tentar empurrar do alto o manifestante Antônio Ribas, 70, que preside um grupo favorável à intervenção civil.

Na sexta, o governo de São Paulo e a Prefeitura da capital cancelaram eventos públicos com mais de 500 pessoas. A Secretaria de Segurança Pública do Estado manteve o policiamento dos atos que já haviam sido comunicado à autoridades.

O ato na Paulista contou com a participação de um clube de motociclistas chamado de MotoClube. Sargento Galesco, policial militar e membro do clube, discursou do carro de som e criticou Doria. "Seu Doria, a Polícia Militar tem 180 anos e não é o senhor que vai acabar com ela não".

Orientado a ficar em isolamento, Bolsonaro encontra apoiadores

Orientado a ficar em isolamento até refazer testes para o coronavírus, o próprio presidente Jair Bolsonaro passou de carro ao lado de manifestantes no ato pró-governo na Esplanada dos Ministérios em Brasília e, na volta, foi ao encontro de apoiadores no Palácio do Planalto. 

Primeiro com o punho fechado, Bolsonaro cumprimentou apoiadores. Depois, chegou a usar o telefone celular de algumas pessoas para tirar selfies ao lado delas, além de cumprimentá-las com as mãos abertas. Em alguns momentos, chegou a colar o rosto ao de apoiadores para fazer fotos.

"Desculpa, Jair, mas eu vou"

Em pronunciamento oficial na quinta-feira, 12, em meio às suspeitas de que havia contraído o coronavírus, Bolsonaro sugeriu que as manifestações fossem adiadas. Apesar do pedido, apoiadores do presidente iniciaram nas redes sociais um movimento "Desculpa, Jair, mas eu vou", convocando a população para as manifestações pró-governo em meio ao risco de disseminação do coronavírus entre os participantes.

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.