André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

"Quem tem de investigar, investiga; quem tem de prestar contas, presta", diz Alckmin sobre críticas de Dilma ao PSDB

Governador de São Paulo rejeita acusação da presidente de que partido é golpista e afirma que oposição é 'necessária' e 'patriótica' tanto quanto o governo

RICARDO BRITO, O Estado de S. Paulo

08 de julho de 2015 | 12h49

Brasília - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), rebateu na manhãdesta quarta-feira, 8, a acusação da presidente Dilma Rousseff de que parte da oposição tem agido de forma golpista. Para o tucano, “a oposição é necessária” e é tão “patriótico” ser governo como oposição.

De passagem pelo Senado, logo após participar de uma audiência pública para discutir a crise hídrica no Estado, Alckmin afirmou que cabe à presidente se pronunciar e explicar as “pedaladas fiscais” e as contas do governo de 2014, que estão sob a ameaça de rejeição pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Se isso ocorrer, pode abrir caminho para um impeachment de Dilma no Congresso.

Questionado sobre as investigações contra Dilma no TCU e no Tribunal Superior Eleitoral, que pode cassar o mandato dela, Alckmin disse que “nós somos cumpridores da Constituição, cada um fazendo a sua parte”.

“Quem tem que investigar, investiga. Quem tem que prestar contas, presta. Quem tem que decidir, decide. Nosso compromisso tem que ser com a Constituição. Entendo que, no caso da CPI, a prioridade deve ser investigação, cada dia aparece um fato novo, parece uma história sem fim. É investigação e Justiça que deve ser feita”, afirmou ele.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise políticaGeraldo AlckminDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.