Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

‘Quem reabre o Brasil não sou eu, é governador e prefeito’, diz Bolsonaro a apoiador

Presidente se queixa de decisão do ministro Alexandre Moraes sobre autonomia de prefeitos e governadores para decretar restrições à circulação durante a pandemia

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2020 | 20h12

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro queixou-se nesta terça-feira, dia 14, do Supremo Tribunal Federal (STF), pelo fato de o ministro Alexandre de Moraes ter garantido autonomia a governadores e prefeitos para decretar restrições à circulação durante a pandemia do novo coronavírus. O presidente também ironizou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, cuja permanência no governo está ameaçada, e disse que pretende resolver um “problema” essa semana.

“Quem reabre o Brasil não sou eu, é governador e prefeito. Eu não tenho poder nenhum”, disse Bolsonaro, rindo, na portaria do Palácio da Alvorada. “O Supremo decidiu, ué, quer que eu faça o quê? O Supremo decidiu: quem fecha ou abre é governador e prefeito.”

A afirmação de Bolsonaro ocorreu quando um apoiador que o aguardava sugeriu o uso de máscaras artesanais pela população, o que, no entender dele, seria “a chave para reabrir o Brasil”, contrariando recomendações de isolamento social feitas pelo Ministério da Saúde. 

Ele argumentou dizendo que o ministro da Saúde havia defendido o uso das máscaras de tecido por toda a população como barreira à contaminação pela covid-19 e pediu que o presidente também incentivasse. Bolsonaro, então, ironizou ao dizer que ele deveria solicitar uma audiência com o ministro. “Vai tentar falar com o Mandetta. É possível falar com o Mandetta ou não? Ele não te recebe, não?”, respondeu Bolsonaro.

O apoiador ainda insistiu e disse que a determinação deveria partir do presidente. Foi quando Bolsonaro respondeu de forma lacônica: “Eu vou resolver o problema essa semana”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.