Beto Barata/AE - 14.02.2008
Beto Barata/AE - 14.02.2008

'Quem comete erro, cai', diz Gilberto Carvalho sobre Transportes

Ministro da Secretaria Geral da Presidência disse lamentar demissões em ministério mas afirmou que 'aliados não podem ser mantidos a qualquer preço' no governo

Leonêncio Nossa, de O Estado de S. Paulo

07 de julho de 2011 | 12h03

BRASÍLIA - Após análise do quadro político, a presidente Dilma Rousseff deve indicar um nome do PR para ocupar em definitivo o cargo de ministro dos Transportes e acabar com a crise no setor. Em entrevista à Agência Estado, o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência, afirmou há pouco que a presença de Paulo Sérgio Passos na interinidade da pasta dará "tranquilidade" para as conversas do governo com o partido e lamentou as demissões de representantes da legenda. "Aliados não podem ser mantidos a qualquer preço", disse. "Num governo, quem comete erro cai."

 

Na entrevista, Gilberto Carvalho disse que a presidente Dilma Rousseff não tem um nome de preferência no PR para chefiar os Transportes e está aberta às conversas. Ele afirmou que citar nomes agora é se precipitar ao diálogo que ainda vai ocorrer com o partido, em especial com senadores como Blairo Maggi (MT) e Alfredo Nascimento (AM), que deixou nessa quarta-feira, 6, a pasta dos Transportes. O ministro ressaltou que a decisão é sempre da presidente da República.

 

Gilberto Carvalho disse que a presidente se reuniu com sua equipe de governo no último sábado para fazer uma avaliação do quadro político. Durante a reunião, avaliou-se que a melhor saída para o problema de suspeitas de irregularidades na pasta era o afastamento provisório de dirigentes do Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT) e assessores do Ministério dos Transportes. Na avaliação do governo, a reportagem da revista Veja do fim de semana que apontava um esquema de pagamento de propina no setor era "forte". Ele fez a ressalva de que as suspeitas mais graves recaíam em relação a assessores dos Transportes. "O afastamento deles era provisório. Eles poderiam retornar aos cargos se tudo fosse esclarecido."

 

Em entendimento com a presidente Dilma Rousseff, o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, decidiu que iria fazer uma "revisão" na pasta para acabar com os problemas, segundo Gilberto Carvalho. "Fomos pegos de surpresa com o pedido de demissão de Alfredo Nascimento", disse o ministro. "O Estadão deu na sua tela (site) na internet à tarde a informação de que ele (Alfredo) pediria demissão. Até aquele momento, nós, na Presidência, não sabíamos."

 

Gilberto Carvalho diz que Alfredo Nascimento foi chamado pela presidente Dilma para participar de uma reunião dessa quarta no Planalto sobre infraestrutura, mas não foi encontrado. "Não é verdade que ele não foi convidado. Eu mesmo ligava para ele", disse o ministro. "Estava combinado que ele iria para a Câmara e para o Senado dar explicações", completou. "Não se pensava na saída dele no momento. O governo só não queria um processo de agonia lenta como foi o caso de Antonio Palocci, na Casa Civil. Isso desgasta o governo."

 

O ministro disse que procurou Luiz Antonio Pagot, então presidente do DNIT, para explicar a decisão tomada pela presidente Dilma de afastá-lo provisoriamente. "Conversei com Pagot na segunda-feira, para explicar o processo de afastamento. Ele disse que estava em férias. Eu respondi: 'Então, use suas férias.'", relatou Carvalho. O ministro disse que as suspeitas apresentadas a Dilma recaíam basicamente nos nomes de outros assessores do setor afastados naquele dia.

 

Na avaliação de Gilberto Carvalho, a presidente não tomou decisões "intempestivas" durante todo o processo. "Ela conversou com todos, não tomou nenhuma atitude intempestiva", afirmou. O ministro disse que não há nenhum desentendimento entre Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "De jeito nenhum", afirmou.

 

Amigo pessoal de Lula, o ministro confidenciou que, numa conversa hoje por telefone, o ex-presidente apenas lamentou o afastamento de representantes do PR dos Transportes. "Fazer o quê, né Gilbertinho. As pessoas acabam cometendo isso, a gente lamenta, mas é isso mesmo", relatou o ministro. Gilberto Carvalho disse que, durante todo o processo, Lula se manteve afastado. "Ele não se envolveu nisso. A presidente Dilma não consultou o presidente Lula e nem precisava consultar."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.