Queixa de Benedita pode pôr colega petista na cadeia

Uma sentença judicial, em processo movido pela vice-governadora Benedita da Silva, do grupo petista Articulação, condena a quatro meses de prisão o secretário-geral do diretório do PT na capital, Antonio Neiva, um dos coordenadores da tendência rival Refazendo, da esquerda petista e se tornou o mais novo obstáculo à "repactuação" da legenda no Estado. A decisão foi tomada pela juíza Sirley Abreu Biondi, da 21ª Vara Criminal, que considerou que o acusado cometeu o crime de difamação ao apontar "digitais" da vice-governadora na criação de núcleos-fantasma do partido, há dois anos. Neiva disse que vai recorrer. O episódio que originou o processo aconteceu em uma reunião no diretório municipal do PT na capital, em 23 de junho de 1999. Na ocasião, discutiam-se denúncias, feitas por Neiva, da criação de mais de 100 núcleos irregulares do PT, supostamente por dirigentes petistas ligados a Benedita e com a ajuda de Roberto Marcos dos Santos, o Gaguinho. Em 1998, Gaguinho tentara concorrer a uma vaga de deputado pelo PSDC, mas foi cassado pela Justiça Eleitoral, acusado de tentar vender legenda. O objetivo da criação de núcleos-fantasma, com filiações falsas, seria dar a Benedita a candidatura a prefeita em 2000. "Neste processo estão as digitais da vice-governadora", afirmou Neiva, na ocasião. No interrogatório, Neiva reiterou suas declarações, que foram confirmadas, no processo, por outras testemunhas. A pena poderá ser cumprida em liberdade, convertida em prestação de serviços comunitários. Benedita está em viagem ao exterior, mas, segundo um de seus advogados, João Bittencourt, não quer mais tratar do assunto. "Para ela, basta que a Justiça tenha se pronunciado, ela não pretende mover contra Antonio Neiva processo por danos morais (pedindo indenização em dinheiro)", explicou ele ao Estado. Neiva afirmou que, independentemente do resultado do recurso que vai apresentar à Justiça, considera que seus objetivos com a denúncia foram alcançados. "Os núcleos-fantasma foram desmontados, e as filiações irregulares, impugnadas", explicou. "Lamento que a vice-governadora tenha levado o assunto para o campo pessoal, e acho que a Justiça tem critérios próprios, que não são os nossos, políticos?. O coordenador do Refazendo estranhou que os advogados de Benedita tivessem divulgado a sentença, mas reafirmou que a posição de seu grupo é reunificar o PT do Rio. "Isso (a sentença) não altera nossa política de reconstruir o partido", afirmou. "Do ponto de vista pessoal, não tenho nenhuma mágoa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.