REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Queiroga sugeriu diálogo sobre tratamento precoce e exaltou Bolsonaro em reunião com OMS

Segundo documento enviado pelo Itamaraty à CPI da Covid, presidente foi apresentado como o 'principal ativo' para o Brasil avançar no combate à pandemia

Daniel Weterman e Julia Affonso, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2021 | 21h48

BRASÍLIA – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, sugeriu à Organização Mundial da Saúde (OMS) um diálogo sobre o tratamento precoce, método defendido pelo presidente Jair Bolsonaro mas sem eficácia comprovada contra a covid-19. A oferta de "convergência" em torno do tema foi citada por Queiroga em reunião no dia 3 de abril com o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, por teleconferência, conforme documento enviado pelo Itamaraty à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. Na mesma conversa, o chefe da pasta apresentou Bolsonaro como o "principal ativo" para o Brasil avançar no combate à pandemia.

O incentivo ao tratamento precoce é uma das linhas de investigação da CPI. O relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), diz já ter provas para responsabilizar o presidente Jair Bolsonaro pelo descontrole da pandemia no País, que se aproxima de 500 mil perdas pelo novo coronavírus. Além disso, ele justificou a oferta do tratamento precoce feita por Queiroga à OMS para incluir o atual ministro da Saúde como investigado na CPI. Em depoimento aos senadores, na semana passada, o ministro afirmou que o tratamento precoce não tem eficácia comprovada para covid. 

"O dr. Queiroga notou que é preciso seguir avançando na harmonização das relações no Brasil para maior êxito na luta contra a COVID-19. Reiterando sua disposição para o diálogo, argumentou que a imprensa poderia ajudar a transmitir mensagens mais ponderadas ('não é hora de jogar gasolina na fogueira; é hora de apagar o incêndio'). Disse que a relação do Brasil com a OMS pode ser reforçada, mediante uma "colaboração forte" com o Ministério da Saúde. Sugeriu, inclusive, eventual diálogo da OMS e do Ministério com colegas médicos mesmo sobre áreas em que não haja convergência (momento em que mencionou o chamado 'tratamento precoce, sem eficácia comprovada')", diz o telegrama formulado pela Missão Permanente do Brasil em Genebra.

A reunião ocorreu menos de duas semanas após Queiroga assumir o Ministério da Saúde. Ele destacou ao diretor da OMS que estava se empenhando para dar exemplo quanto às medidas de saúde pública para enfrentar a pandemia. "Citou, nesse contexto, a importância de hábitos de higiene e de se evitar aglomerações fúteis", destaca o comunicado. No mesmo período, porém, Bolsonaro participou de eventos de inauguração promovendo aglomerações com apoiadores sem o uso de máscara.

Ainda na reunião, Queiroga avaliou que buscou interlocução com parlamentares brasileiros e, com 10 dias no cargo, "já pudera notar uma diminuição na 'pressão' e um crescente ambiente para diálogo e entendimento." O ministro afirmou ao diretor da OMS que o presidente Jair Bolsonaro era um "grande patriota" com preocupação em relação às consequências sociais e econômicas da pandemia, sobretudo para os mais vulneráveis, citando o auxílio emergencial pago a trabalhadores informais e desempregados.

"Notou que o Presidente Bolsonaro compreendera a eficácia das medidas de saúde pública para evitar a necessidade de um 'lockdown'. Para o ministro da Saúde, o mandatário, como "líder da Nação", seria o principal ativo para o Brasil avançar na resposta à emergência sanitária."

Na reunião, Queiroga reforçou o apelo para que o Brasil recebesse mais doses de vacinas. Sinalizou, ainda, a disposição para elevar o volume de doses do consórcio Covax Facility de 10% da população para 20%. No ano passado, porém, sob a gestão do ex-ministro Eduardo Pazuello, o Brasil optou pelo porcentual mínimo, apesar de ter recebido uma oferta maior do consórcio.

O diretor da OMS, porém, ressaltou que vários países - e não só o Brasil - passavam por problemas para receber imunizantes devido à demanda global aos produtores. Tedros Ghebreyesus "reconheceu que as vacinas são parte importante da resposta, mas recordou que, segundo a OMS sempre sublinha, é preciso usar estratégia abrangente, com recurso a 'all measures'", citando medidas como distanciamento físico e uso de máscaras. 

Para o relator da CPI, Queiroga "mentiu muito" ao falar na comissão e precisa ser investigado. "Ele finge que é ministro, defende o uso de máscara e o presidente diz que ele estará obrigado a fazer um decreto minimizando o uso de máscara. Defende autonomia concorrente dos Estados e o presidente da República entra, com a participação dele, contra essa autonomia concorrente", afirmou Renan. 

Na avaliação de Renan, Bolsonaro continua induzindo pessoas à morte com respaldo do ministro da Saúde. "Ele (Queiroga) vai ter que ser investigado para que ele entenda que precisa parar com essa loucura, que ele não pode continuar, a pretexto do cargo que ocupa, a fazer essas atrocidades ou concordar com as atrocidades que são feitas diariamente pelo presidente da República", criticou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.