Queda de popularidade é natural, diz líder

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PSDB-RR), disse há pouco que a queda da popularidade do presidente Fernando Henrique Cardoso, mostrada em pesquisa divulgada hoje pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), "é natural". "Vivemos um momento difícil, com interferência direta na vida das pessoas", justificou o líder. Na opinião dele, no entanto, há tempo suficiente para reverter esse resultado até as eleições do ano que vem. "Daqui a um ano, a situação será diferente", previu. Em relação ao discurso de renúncia a ser proferido amanhã, no plenário do Senado, pelo senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), envolvido no episódio de violação do painel de votação eletrônica do Senado, o líder disse que o senador baiano tem o direito de falar o que quiser e lembrou que ACM vive um momento muito difícil. Mas adiantou que o governo se reserva o direito de fazer os reparos que julgar necessários, se assim o julgar. Sobre uma eventual divulgação da lista com os votos dos senadores na sessão de 28 de junho do ano passado em que foi cassado o mandato do ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF), bem como a insinuação de ACM de que o presidente Fernando Henrique poderia ter visto a lista, Jucá afirmou: "Não vamos entrar no mérito de quem viu ou não viu a lista". Não temos nada a comentar sobre isso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.