Reprodução/SBT
Reprodução/SBT

Quebra de sigilo de Flávio irrita o presidente e reaviva a pergunta: onde está Queiroz?

Decisão judicial devassa dez anos das contas do filho Zero Um e abre portas ao imprevisível; polêmicas como a do bloqueio de verbas da educação ajudam clã a mudar de assunto

Wilson Tosta, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2019 | 11h00

Caro leitor,

Onde está Fabrício Queiroz? A pergunta que assombra há meses o Palácio do Planalto voltou com força depois que se soube que, em 24 de abril, a Justiça do Rio quebrara os sigilos bancário e fiscal do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), do próprio Queiroz e outras 93 pessoas físicas e jurídicas. O pedido do Ministério Público, obtido pelo Estado, é rico em detalhes – entre eles, os saques de mais de R$ 650 mil feitos pelo ex-assessor de Flávio de janeiro de 2016 e junho de 2018 – e sua aceitação acendeu o alerta no clã Bolsonaro. Irritado com anunciada devassa em mais de uma década de vida financeira do primogênito, o presidente, que na semana anterior previra um “tsunami” na política, desafiou os adversários a atacá-lo, em lugar do filho Zero Um, segundo ele vítima de “esculacho”. O Zero Dois Carluxo, diante do ambiente político difícil que ameaça no Congresso a MP 870  – uma derrota que poderia levar à recriação de ministérios –, viu possibilidade de queda do governo paterno. Na sexta, o presidente divulgou no WhatsApp uma espécie de desabafo. Repetiu o discurso janista – velho de mais de meio século – de denúncia da suposta conspiração dos políticos contra as mudanças que o Brasil precisa. Foi, como observou Vera Magalhães, um flerte com Jânio e Collor, outros dois presidentes cujo relacionamento com o Congresso (e a política) foi tumultuado.

Flavio aparentemente já sabia da tempestade que se avizinhava. Antes que a quebra de sigilos viesse a público, em entrevista a Renata Agostini, protestou contra o que considerou um ataque a seus direitos, como expôs neste vídeo (veja abaixo). O senador insistiu em denunciar o que chamou de vazamentos que teriam por objetivo atingi-lo. Mas, desde que o Estado revelou que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) descobrira as movimentações financeiras atípicas de Queiroz, o parlamentar ainda não demonstrou como fará para lidar livrar das suspeitas, lançadas pelo MP, de ligações com supostos malfeitos de seu ex-homem de confiança. O pedido do MP apontou a presumida ação, no gabinete de Flávio, de uma organização criminosa. Essa quadrilha seria voltada para o cometimento de crimes de peculato (suposto desvio de dinheiro por servidor, no caso de salários de assessores, que teriam sido repassados ao parlamentar, em esquema de “rachadinha”) e de lavagem de dinheiro.

Pior: em seu pedido, acolhido pelo juiz Flavio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Rio, os promotores relacionam, entre os alvos das quebras de sigilo, pelo menos oito ex-assessores de Jair Bolsonaro, quando era deputado federal. Não se sabe o que pode sair daí. O primeiro relatório do Coaf já apontara transferência de recursos da conta de Queiroz para a primeira-dama Michelle Bolsonaro, quando o hoje presidente ainda era deputado. Segundo disse, recebeu na conta da mulher o pagamento de um empréstimo ao assessor e ex-colega da Brigada de Infantaria Para-Quedista. É certo que pelo menos dez anos de vida política do clã serão devassados, chegando a outros gabinetes da família – e o resultado da operação é incerto.

Na mesma semana em que a quebra judicial de sigilos foi revelada, o presidente teve outros motivos de exasperação. Seu governo enfrentou nas ruas o primeiro protesto massivo contra suas políticas, puxado por estudantes e professores de instituições federais de ensino. Esses setores estão inconformados com o contingenciamento médio de 30% das despesas “bloqueáveis”. As manifestações atingiram todos os Estados e puderam ser acompanhadas passo-a-passo no estadao.com. Bolsonaro, que inicialmente tentou justificar a suspensão dos repasses em uma videoconferência com estudantes, reagiu, durante viagem aos EUA para receber uma homenagem da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos em Dallas, Texas, foi ácido na resposta aos manifestantes. O presidente, dessa forma, alimentou ainda mais a polêmica que o contrapõe, há meses, a setores que considera dominados pelo “marxismo cultural”, em atitude, em certos aspectos, sem comparação.

É mais uma controvérsia barulhenta, que surge no momento em que tudo que os Bolsonaros precisam é que se fale de outra coisa que não as peripécias financeiras do ainda desaparecido Queiroz – que negou ao MP, por escrito, ter cometido ilegalidades ou irregularidades. A balbúrdia, no caso, favorece uma conveniente mudança de assunto. Nesse contexto, a elevação de tom em declarações e ações do presidente não surpreende. O cérebro de Flavio se chama Jair.

Leia nas Supercolunas:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.