Quatro pessoas são presas em MG na Operação Farol da Colina

Quatro pessoas foram presas por agentes da Polícia Federal (PF) até o início da tarde de hoje em Belo Horizonte, como parte da "Operação Farol da Colina". Segundo a Assessoria de Comunicação Social da Superintendência da PF em Minas, as prisões foram efetuadas em cumprimento a mandados expedidos pela 2ª Vara Criminal da Justiça Federal no Paraná. Foram expedidos cinco mandados de prisão e 13 de busca e apreensão na capital mineira. A operação teve início por volta das 6h e envolve 13 equipes da PF, que contam com o apoio da Receita Federal, Banco Central e Ministério Público Federal. Os mandados foram cumpridos em escritórios de factoring, casas de câmbio e agências de turismo da capital. De acordo com o delegado Ricardo Amaro, os agentes recolheram diversos documentos e CPU´s de computadores. Segundo a PF, foram presos: Camilo de Lelis Assunção; Carlos Maurício Inácio de Souza; Aroldo Bicalho e Silva e Paulo Roberto Grapiúna Lima. "São empresários ligados, basicamente, à área financeira. De um modo geral, acusados de remessa ilegal de divisas para o exterior, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro", afirmou Amaro. Os policiais federais continuam realizando buscas em uma joalheira da cidade e tentam cumprir o quinto mandado de prisão. Conforme a PF, a operação "Farol da Colina" está vinculada ao "escândalo do Banestado" e foi desencadeada em Minas e outros sete estados. "Urutu Cruzeira" Ao mesmo tempo, a PF desencadeou hoje a "Operação Urutu Cruzeira", destinada a dar cumprimento a 13 mandados de prisão e 23 de buscas e apreensão em Governador Valadares e outras cidades do Estado (Teófilo Otoni, São José da Lapa e Belo Horizonte). Os mandados foram expedidos pelo juiz Jorge Gustavo, da 4ª Vara Federal de Belo Horizonte. Segundo o delegado Ricardo Amaro, um doleiro do Rio de Janeiro foi preso em Governador Valadares, suspeito de envolvimento em operações ilegais de remessa de divisa e falsificação de passaporte. Os mandados de prisão e busca estavam sendo cumpridos em escritórios de factoring, casas de câmbio e empresas de turismo da cidade. Trinta e duas equipes da PF, com o acompanhamento do MPF e da Receita Federal, participam da operação. O balanço final das operações em Minas será divulgado no final da tarde pela superintendência da PF no Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.