Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Quando a máfia briga

Antonio Palocci era o elo que levava o dinheiro das empreiteiras a Lula

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2017 | 03h00

Nos filmes de máfia sempre existe aquele momento de tensão em que um lugar-tenente ou alguém menos expressivo na hierarquia começa a dar sinais de que vai roer a corda e ajudar os investigadores ou se bandear para o grupo rival. Na ficção, esse conflito geralmente acaba em morte, mas às vezes resulta na implosão da organização.

No enredo de gângsteres que a Lava Jato revela ao Brasil em temporadas cada vez mais eletrizantes, por ora não se teve ainda – o que é até de certa forma surpreendente, dada a profundidade e a extensão das revelações – casos de queima de arquivo, ou mesmo tentativas de. Mas a implosão das organizações criminosas pelo “pio” de suas figuras proeminentes tem sido e tende a ser o grande complicador para os capos políticos.

Agora questionada pela razão, mais ou menos óbvia, de que não produziu provas materiais, a delação de Delcídio do Amaral foi a primeira nessa categoria de colaborações. Ex-presidente da CPI dos Correios, ex-líder do governo Dilma Rousseff, frequentador assíduo do Instituto Lula e interface do PT com a Petrobrás por décadas, Delcídio sempre foi um insider.

Suas revelações sobre a cadeia de comando no PT e na relação do partido com as empresas, embora não tenham recibo, se mostraram precisas na descrição da engrenagem. Ele disse: Antonio Palocci era o elo que levava o dinheiro das empreiteiras a Lula.

Vieram as colaborações da Odebrecht, essas sim mais municiadas de documentos, pois envolvem a máquina de uma das maiores empresas do País, que tinha até um departamento dedicado à corrupção e, portanto, dispõe de planilhas, passagens, depósitos, contratos para ofertar, e confirmou, ipsis litteris, a narrativa de Delcídio.

Agora está próximo de ser selado o acordo em que Palocci dará o fecho na cadeia de confissões que começa em Delcídio, passa pela Odebrecht, demais empreiteiras, pelo casal João Santana e Mônica Moura e acaba em Lula.

Não é por outra razão que a figura que se sentou diante do juiz Sérgio Moro na quarta-feira nada mais era do que uma fera acuada. Por trás de uma malograda tentativa de soar indignado ou falar como psicólogo sobre as supostas razões de seu antigo lugar-tenente, Lula deixava transparecer na voz rouca e nos olhos assustados a certeza de que não há como contestar o que está por vir.

Por um mistério desses da política, Palocci, um médico interiorano sem nenhuma expertise em economia em 2002, foi o passaporte de ingresso de Lula nos salões dos empresários. Foi ele que, juntamente com os marqueteiros Duda Mendonça e João Santana, passou em Lula a camada de verniz que atestava: se eleito, ele não vai contrariar vossos interesses, muito pelo contrário.

Uma vez que a “esperança” venceu o medo, coube a ele voltar aos que lhe abriram as portas para introduzir Lula e apresentar o prospecto do custo que teriam e dos benefícios de que gozariam para ser “amigos” do PT. Um plano de fidelização que levou empresas à condição de campeões nacionais na velocidade da luz e deu no que estamos vendo agora.

Dizer que este personagem, assim tão central, diz o que diz sem ter elementos para demonstrar as acusações é brincar com a inteligência alheia. Palocci construiu uma consultoria gigante. Contratos maquiados e tráfico de influência eram seu core business. E o Instituto Lula, sua segunda sede. 

Em tempo: a mesma lógica da implosão interna da irmandade valerá para Michel Temer se Geddel Vieira Lima, Henrique Alves e até capatazes menos influentes como Rodrigo Rocha Loures resolverem abrir o bico. Neste caso, também o clã peemedebista estará diante do risco real de implosão de seu chefe. Sem Rodrigo Janot para atrapalhar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.