Quadrilha falsificava exames de HIV para fraudar FGTS

A Polícia Federal (PF) desvendou esta semana um esquema fraudulento de saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) que envolvia uma quadrilha especializada em emitir exames falsos de HIV para obter o benefício. Três pessoas foram presas na quarta-feira, entre elas um ex-funcionário da Caixa Econômica Federal.A PF chegou até os acusados após denúncia da Caixa, que desconfiou da quantidade de saques efetuados por supostos soropositivos. Segundo a assessoria de imprensa da PF, Hildeberto Job Pereira da Cruz foi preso em flagrante por agentes da Delegacia de Prevenção e Repressão a Crimes Fazendários quando retirava seu FGTS na agência da Caixa de Madureira, zona norte do Rio.Na Superintendência Regional da PF, Cruz teria confessado que usou documentos falsos, como um laudo médico que informava ser portador do vírus HIV. De acordo com a PF, Cruz revelou que o laudo falso foi obtido com Augusto Silvio de Souza. A investigação, ainda de acordo com a PF, confirmou a participação de Jorge Vença Felizola, ex-funcionário da Caixa, no esquema.Munidos de mandados de busca e apreensão expedidos pela 6ª Vara Federal Criminal, policiais federais apreenderam nos endereços dos acusados envelopes de uma rede de laboratórios, termos de adesão do FGTS em branco, relação de laboratórios credenciados junto aos Postos de Assistência Médica do Sistema Único de Saúde (SUS) e um laudo em branco carimbado com o nome de um médico, mas sem assinatura, entre outros materiais relativos ao caso.Os acusados foram indiciados por crimes previstos nos artigos 304 (uso de documento falso), combinado com 171, parágrafo 3º, do Código Penal, cujas penas, em caso de condenação, poderão variar de um a quatro anos de prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.