PV levanta R$ 12 mil no início das arrecadações online

A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, deu a largada hoje à arrecadação de contribuições online. Em sua página na internet, há um espaço para receber doações de pessoas físicas, por meio de cartões de crédito. Desde sexta-feira, o sistema vem operando em caráter experimental e já arrecadou quase R$ 12 mil - provenientes de 127 pessoas em 21 Estados. A campanha do PV é a primeira entre os candidatos à Presidência a abrir espaço para doações de pessoa física pela internet. Segundo Marina, é a oportunidade de mobilizar a sociedade para quebrar "o velho sistema de política tradicional em que as doações são um grande mistério". "É um legado que deixamos para a sociedade e para as outras campanhas", completou.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

09 de agosto de 2010 | 15h43

A abertura oficial de arrecadação foi no comitê de campanha de Marina, na capital paulista, e teve a presença de Ari, de 11 anos, neto do falecido médico ginecologista e deputado federal José Aristodemo Pinotti, que ofereceu R$ 20 para a campanha. Ela lembrou que os dois se encontraram em fevereiro no Aeroporto Santos Dumont, no Rio, e conversaram sobre a simpatia que o avô nutria por ela e pelas causas ambientais. Como na época a candidatura ainda não estava oficializada, Marina disse que chamaria o menino quando a arrecadação começasse a funcionar.

"É uma criança interessada em assuntos ambientais e fico muito emocionada com esse gesto", disse. "Fico feliz em estar preparando as novas lideranças para dar continuidade à política que eu acredito." A cantora Adriana Calcanhoto também fez uma doação durante o evento e conversou com Marina, pela internet, usando o sistema de comunicação Skype. "Estou muito emocionada", disse a cantora que já havia declarado anteriormente seu voto em Marina Silva.

Doações

A ideia de arrecadar pela internet surgiu em agosto de 2009 e foi inspirado na campanha presidencial de Barack Obama, nos Estados Unidos, mas só agora a campanha conseguiu viabilizar o sistema. A dificuldade foi adequar o sistema das operadoras de cartão de crédito às regras da Justiça Eleitoral. "Não foi falta de boa vontade do TSE (Tribunal Superior Eleitoral)", ressaltou a candidata.

O sistema de arrecadação recebe doações de pessoa física por meio de cartões de crédito das bandeiras Visa e Mastercard. O objetivo do PV é permitir doações via cartões de débito e boletos bancários. O valor mínimo de doação é de R$ 5 e pode chegar até 10% do rendimento bruto do doador. Não é permitido doação com cartões corporativos. Além da doação via internet, a campanha usará 12 máquinas de cartão para receber doações nos eventos do partido e enviará e-mails para os simpatizantes da candidatura já cadastrados no site da campanha, convidando-os a contribuir.

Segundo a coordenação da campanha do PV, o sistema de arrecadação segue os moldes de segurança das lojas de compras online, ou seja, a doação é feita dentro de um ambiente criptografado. No final do processo, o doador recebe um comprovante da doação através do correio eletrônico. A doação é dedutível do Imposto de Renda. O sistema tem capacidade para receber 200 doações por segundo. Brasileiros no exterior podem doar, desde que o cartão de crédito seja emitido no Brasil. A campanha afirma que anunciará periodicamente os montantes de doações, mas que o valor recebido de cada doador só será revelado na prestação de contas ao TSE.

De acordo com os coordenadores da campanha, não há uma estimativa de arrecadação pela internet. Embora diga que o sistema online abre espaço para que "muitos contribuam com pouco" e não "poucos contribuam com muito", Marina afirma que a ideia é continuar recebendo também dos "grandes doadores". "Não prescindimos dos grandes doadores, apenas abrimos uma nova etapa", acrescentou Álvaro de Souza, responsável pela arrecadação da campanha. Até agora, foram arrecadados R$ 4,6 milhões, sendo que 20% veio do vice da chapa, o empresário Guilherme Leal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.