Aleksei Druzhinin/Kremlin via REUTERS
Aleksei Druzhinin/Kremlin via REUTERS
Imagem João Gabriel de Lima
Colunista
João Gabriel de Lima
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Putin, o Convidado de Pedra

Segundo Angela Merkel, o presidente russo é um líder do século 19 agindo no século 21

João Gabriel de Lima, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2022 | 03h00

A melhor definição de Vladimir Putin foi dada por Angela Merkel, a ex-chanceler alemã. Segundo ela, o presidente russo é um líder do século 19 agindo no século 21, um nacionalista disposto a anexar Estados soberanos numa era de direito internacional e globalização. Merkel conhece bem Putin. Visitaram-se várias vezes enquanto coincidiram no poder, e conversavam sem intérprete – um é fluente na língua do outro.

Merkel nasceu na Alemanha Oriental. Escapou de um totalitarismo para liderar informalmente a União Europeia, um clube de democracias. Putin é um nostálgico da Rússia totalitária, mais a czarista que a comunista. Merkel era frequentemente dura com Putin. Ele respondia ora com flores, ora soltando na sala seu labrador Koni. Merkel tinha medo de cães, mas não demonstrava na frente de Putin. E colocava os galanteios machistas na conta do século 19.

Daniel Pineu, entrevistado no minipodcast da semana, é pesquisador na área de segurança internacional na Universidade de Amsterdam. Foi ele quem me lembrou da frase de Merkel, dita em 2014. “Putin pode ser definido como um ultranacionalista conservador. Em vez de olhar para o futuro, quer um retorno à grandeza passada, à grandeza imperial, à grandeza da Guerra Fria”, diz Pineu.

O pesquisador me recomendou a leitura de um ensaio escrito por Putin. O título é Sobre a unidade histórica de russos e ucranianos, e está anexado à versão digital da coluna. No texto fica claro por que Putin considera a Ucrânia seu quintal – e por que, homem do século 19 que é, acha que tem o direito de invadi-la.

O problema de viver no passado é que o presente cobra a conta. Os cidadãos ucranianos – pesquisas acadêmicas já haviam sinalizado – não se sentem num quintal de Moscou. A resistência à invasão tem sido maior do que Putin esperava. Enquanto isso, sanções internacionais provocam estragos na economia russa, expondo o que talvez seja um erro de cálculo do homem do século 19. 

Idolatrado pela extrema direita que assedia a imprensa, Putin deu ordem para que os jornais de seu país não usassem as palavras “guerra” e “invasão”. O russo Dmitry Muratov, editor da Novaya Gazeta e vencedor do Nobel da Paz, afirmou em entrevista à The New Yorker que vai chamar “guerra” de “guerra”, desafiando a censura do autocrata. 

A condenação quase unânime a Putin, da esquerda democrática à direita liberal, foi uma reação do século 21 contra o século 19. Como o Convidado de Pedra da ópera Don Giovanni, Putin é uma estátua do passado a assombrar o presente – daquelas que acabamos por destruir, quando os ventos da História mudam de direção.

Para saber mais:

Minipodcast com Daniel Pineu

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.