Publicitário do caixa 2 do DEM recebe R$ 14 milhões de Arruda

Forma de pagamento a produtora que fez programas do DEM mimetiza esquema conhecido como 'valerioduto'

Leandro Colon, da Agência Estado,

11 de dezembro de 2009 | 19h55

O governo do Distrito Federal abasteceu nos últimos três anos, sem licitação, com pelo menos R$ 14,4 milhões, uma produtora que fez programas para o diretório do DEM em Brasília nesse período e cuidou da campanha do governador José Roberto Arruda em 2006.

 

Veja Também

linkAcuado por denúncias, Arruda anuncia desfiliação do DEM

linkCâmara Legislativa do DF cria CPI para apurar mensalão do DEM

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o mensalão do DEM

 

A forma de pagamento mimetiza o esquema conhecido como "valerioduto", no qual empresas-mãe com gordos contratos com o governo repassavam dinheiro para integrantes do grupo político mediante subcontratações.

 

O caminho do dinheiro é mensal, tortuoso e discreto. Cai primeiro na conta das empresas contratadas oficialmente para cuidar da publicidade do governo. Depois, é transferido para a AB Produções, do empresário Abdon Bucar. Esse repasse não aparece nas notas de empenho. Surge apenas em ordens bancárias que chegam a ultrapassar R$ 200 mil por serviço prestado.

 

Num encontro em 2006 com Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do governo de Arruda, Abdon Bucar admite que fez acordo para receber por caixa dois na campanha. Nessa conversa, gravada em vídeo por Barbosa, o dono da AB Produções reclama de um contrato não honrado de R$ 750 mil "com o PFL" - nome antigo do DEM- e de R$ 1 milhão que teriam caído em sua conta sem qualquer explicação. Ele chega a falar em "esquentar" nota fiscal, expressão usada para "legalizar" dinheiro não declarado.

 

Meses depois desse encontro, Arruda já era governador. No dia 23 de março de 2007, a AB Produções recebeu R$ 417 mil dos cofres do governo. O dinheiro foi repassado pela RC Comunicação Ltda, uma das três empresas que detinham contrato de publicidade. Naquele ano, R$ 3,5 milhões foram transferidos para a AB, com a contribuição também da Stylus Comunicação e da Branez, segundo levantamento feito pela assessoria do deputado Chico Leite (PT), a pedido do Estado, no sistema de despesas do governo, acessado apenas por parlamentares.

 

Em depoimento à Polícia Federal, Durval Barbosa disse que a AB Produções foi quem alugou a chamada "Casa dos Artistas", o quartel general da campanha de Arruda num bairro nobre de Brasília, onde eram produzidos programas eleitorais. Segundo Barbosa, que confessou o esquema em troca de delação premiada, R$ 12 milhões foram gastos na casa.

 

Em 2008, no segundo ano da gestão de Arruda, a publicidade do governo passou para as mãos de outras três empresas: AV Comunicação, Agnelo Pacheco e Dupla Criação. A prática de "subcontratar" a AB Produções continuou. Juntas, repassaram R$ 4,5 milhões para a empresa de Abdon Bucar.

 

Entre 2007 e 2008, a AB prestou serviços para o diretório regional do DEM, presidido pelo vice-governador Paulo Octávio, e que tinha Arruda na presidência de honra. Algumas gravações realizadas nem foram ao ar, entre elas uma com o senador Adelmir Santana (DEM-DF). Nas prestações de contas do diretório à Justiça Eleitoral, não há referências a despesas com a AB.

 

A manobra do governo Arruda de usar a publicidade de maneira suspeita remete à métodos do chamado "valerioduto", esquema em que os governos federal e de Minas Gerais usaram contratos de propaganda com empresário Marcos Valério para arrecadar recursos de maneira ilícita. Os números do DF revelam que os repasses à produtora AB Produções dobraram entre 2007 e 2009. Neste ano, o valor já chega a R$ 6,1 milhões. Uma nota fiscal de R$ 384 mil foi emitida no dia 10 de junho passado pela AV Comunicação em nome da AB Produções.

Tudo o que sabemos sobre:
Publicitáriocaixa 2DEMArruda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.