PTB dará apoio a governo Lula em segundo mandato

O líder da bancada do PTB na Câmara, José Múcio (PE), disse que os parlamentares do partido ofereceram apoio ao governo, em reunião nesta quinta-feira com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto, em Brasília. Ao sair do encontro, Múcio negou que o PTB esteja na disputa por cargos na nova equipe de Lula. O PTB dará apoio ao governo, mas não deve participar do conselho da coalizão - grupo que Lula planeja criar, reunindo os presidentes dos partidos aliados. O presidente do PTB é o ex-deputado Roberto Jefferson, pivô da crise do mensalão, que resultou na queda de toda a direção do PT e de ministros influentes do governo no decorrer de 2005. Durante o encontro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que as medidas que pretende adotar para acelerar o desenvolvimento econômico deverão estar prontas até o final do ano. "Quero aproveitar até 31 de dezembro para ver se consigo destravar o Brasil das amarras que impedem o desenvolvimento", teria dito Lula, segundo contou o deputado Luiz Antonio Fleury Filho (PTB-SP), um dos presentes ao encontro. Segundo Fleury, Lula citou como exemplo o caso da Petrobras que tem mais de 30 obras no Rio de Janeiro, que não podem ser levadas adiante por causa de obstáculos impostos por órgãos estaduais do meio ambiente. Fleury e o deputado Arnon Bezerra (PTB-CE) disseram que o presidente se mostrava animado e disse que há recursos para o governo fazer investimentos maiores. Para exemplificar, segundo os deputados, ele citou a Petrobrás que, até 2010, investirá US$ 87 bilhões, sendo US$ 81 bilhões no Brasil.De acordo com deputados que estiveram no encontro, o presidente sinalizou que mudanças de ministro só deverão ocorrer depois da eleição para as presidências da Câmara e do Senado, que ocorrerá no dia 1º de fevereiro de 2007. "Não tenho pressa. Vamos ter a eleição das Mesas (diretoras da Câmara e do Senado)", teria dito Lula, segundo Fleury. Segundo os deputados, Lula salientou o desejo de ter o PTB na base do governo. "Diria que foi uma conversa formal, na qual o governo disse que gostaria de contar com o PTB e a bancada disse que queria fazer parte da base", resumiu Fleury. "A reunião levantou o astral. O presidente mostrou que a parceria que está buscando é de solidez", afirmou o deputado Arnon Bezerra. Segundo ele, Lula afirmou que deseja fazer reuniões mais freqüentes com os aliados.Colaborou Leonencio Nossa

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.