PT vê candidaturas "desenganadas" em recuperação

Na reta final da campanha, dois candidatos do PT parecem ganhar novo fôlego em duas campanhas consideradas quase perdidas até mesmo por integrantes da direção do partido. Segundo a última pesquisa feita pelo Ibope em Belém, a senadora Ana Júlia Carepa subiu e, mesmo em segundo lugar, já está garantindo a realização do segundo turno contra o também senador Duciomar Costa (PTB), líder nessa corrida eleitoral. Em Cuiabá, também segundo o Ibope, o petista Alexandre César empatou em segundo lugar com Sérgio Ricardo, do PPS e tem boas chances de ir ao segundo turno contra Wilson Santos (PSDB), líder nas pesquisas.No caso de Belém, o comando do PT tem interesse estratégico na recuperação demonstrada pela campanha da senadora Ana Júlia. Os petistas administram a capital paraense, com Edmilson Rodrigues, e venceram as duas últimas eleições na cidade. Não conseguir chegar sequer no segundo turno vinha sendo considerado como um desempenho decepcionante.Em Cuiabá, a reação de Alexandre César é considerada mais surpreendente. Na pesquisa dessa semana, ele foi o candidato que apresentou o maior crescimento na eleição da capital de Mato Grosso. O tucano Wilson Santos está na frente, mesmo perdendo quatro pontos percentuais na última pesquisa feita pelo Ibope, passando de 36% para 32%. Sérgio Ricardo, do PPS, continua em segundo lugar, subindo de 22% para 27%. Mas, agora, tem a companhia de Alexandre que cresceu sete pontos percentuais, indo de 20% para 27%.A eleição de Cuiabá representa também uma disputa de influências. Wilson Santos representa o grupo tucano, liderado por Dante de Oliveira, que governou Mato Grosso de 1994 a 2002. Sérgio Ricardo representa o grupo do atual governador Blairo Maggi e do atual prefeito de Cuiabá, Roberto França, ambos do PPS. Alexandre César representa o governo federal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os três candidatos têm justamente citado essas influências políticas como um dos principais atrativos de convencimento dos eleitores na reta final.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.