PT vai entrar com representação contra programa do DEM

Partido decidiu recorrer à Justiça sob a alegação de que José Serra não poderia ter estrelado o programa do DEM, legenda à qual não é filiado

Eugênia Lopes e Mariângela Gallucci / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

27 Maio 2010 | 22h06

O PT afirmou que vai entrar nesta sexta-feira, 28, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o programa partidário do DEM, exibido na quintaà noite em cadeia nacional de rádio e televisão. O PT decidiu recorrer à Justiça sob a alegação de que o pré-candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, não poderia ter estrelado o programa do DEM, partido ao qual não é filiado.

 

"Houve uma transgressão clara à lei. A Justiça Eleitoral não permite a aparição de alguém que não seja filiado ao partido no programa", disse o secretário-executivo do PT, deputado José Eduardo Martins Cardozo (SP), que também é um dos coordenadores da campanha da petista Dilma Rousseff. "Serra não é do DEM, portanto não poderia ter aparecido."

 

Mais cedo, antes de o programa do DEM ser exibido, o PT chegou a acionar o TSE para tentar impedir a transmissão. Mas o corregedor-geral eleitoral, Aldir Passarinho Junior, rejeitou o pedido alegando que não poderia fazer censura prévia ao programa partidário. Segundo o PT, nos sites do DEM na internet e em uma entrevista do deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) teria sido veiculada a informação de que Serra ocuparia parte significativa da propaganda do DEM. "As transmissões não estão sujeitas a prévia censura, por elas respondendo, na forma da lei, os que as promoverem, sem prejuízo da responsabilidade pelas expressões faladas ou pelas imagens transmitidas", concluiu o corregedor.

 

Os petistas criticaram com veemência a aparição do Serra no programa do DEM. "Ocorreram ilegalidades flagrantes uma vez que o candidato do PSDB apareceu em um programa de um partido ao qual não é filiado", observou o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP). "É uma provocação ao Tribunal Eleitoral", emendou. "Foi uma campanha explícita do Serra", afirmou o líder do PT na Câmara, deputado Fernando Ferro (PE). "É cinismo deles fazerem um programa desse tipo", atacou o petista.

 

Os democratas estão cientes de que poderão ser punidos pela Justiça Eleitoral com a perda do programa partidário em 2011. Tanto é assim que o DEM procurou manter em sigilo o teor do programa partidário com receio de que o PT viesse a conseguir liminar na Justiça para suspender a sua exibição. Há grandes chances de o TSE vir punir o DEM e o candidato tucano.

 

De acordo com a legislação e a jurisprudência do TSE, a propaganda partidária deve ser usada para veicular ideias dos partidos e não promover a imagem de candidatos. Em caso de descumprimento, a prática é multar o responsável pela desobediência e proibir o partido de veicular sua propaganda partidária no semestre seguinte.

 

Recentemente o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi multado quatro vezes pelo TSE por ter feito propaganda eleitoral em favor da presidenciável do PT, Dilma Rousseff, durante eventos e inaugurações. A própria Dilma Rousseff já recebeu duas multas. E em breve o TSE deverá julgar uma representação na qual o PSDB pede que o PT, o presidente Lula e Dilma sejam multados em até R$ 250 mil e que o partido seja proibido de veicular propaganda partidária no segundo semestre de 2011. De acordo com o PSDB, a propaganda partidária do PT, exibida em 13 de maio, teria feito uma apologia à Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.