PT vai à Justiça contra programa de TV do PFL

O PT desencadeou hoje uma contra-ofensiva ao programa eleitoral do PFL paulista, veiculado na noite de segunda-feira, que atacou a administração da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy. A direção do PT paulista anunciou que ingressará amanhã com uma queixa-crime no Tribunal de Justiça (TJ), acusando o PFL de ter feito afirmações injuriosas contra a prefeita de São Paulo.No âmbito eleitoral, o PT recorrerá ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para acusar o programa pefelista de ter feito propaganda antecipada da candidatura à Presidência da governadora do Maranhão, Roseana Sarney. Como punição, o PT solicita que o PFL perca o direito de veicular nova propaganda eleitoral no primeiro semestre de 2002, pague multa e ceda espaço para um direito de resposta.Hoje, a prefeita Marta Suplicy rebateu as críticas de forma ríspida. "Me pergunto se esse programa tão negativo foi feito com a verba do caixa 2 de Curitiba", disse a prefeita, referindo-se às denúncias de desvio de dinheiro de campanha contra o prefeito da capital paranaense, Cassio Taniguchi (PFL).No programa partidário, o PFL mostrou uma animação com a figura de um "trem da alegria" puxado por Marta - numa alusão à minirreforma comandada pela prefeita no primeiro semestre, em que foram criados 788 cargos de confiança na Prefeitura.O programa também criticou o projeto do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) progressivo, que tramita na Câmara, e o aumento do bilhete de transporte público - a passagem passou de R$ 1,15 paraR$ 1,40 em maio. Depois disso, a apresentadora ainda observou que "Incompetência se escreve com P e T" e desenhou as duas letras na tela.PolarizaçãoAs cúpulas estadual e nacional do PFL justificaram os ataques ao PT como uma ofensiva diante da polarização entre Luiz Inácio Lula da Silva e Roseana nas pesquisas eleitorais à Presidência. "Criticamos o PT porque o Lula está em primeiro e Roseana em segundo", observou o vice-presidente estadual Gilberto Kassab. "Lula tem 30% nas pesquisas e o programa foi só um percurso que faremos na direção dele, sujeitos a chuva e trovoadas", afirmou o diretor da executiva nacional do PFL, Saulo Queiroz.Ele observou, no entanto, que nos demais Estados o programa do partido não seguiu a mesma orientação de criticar apenas o PT. "Exaltamos a Roseana e ponto final", disse. Queiroz aproveitou porém, para dar a tréplica à prefeita de São Paulo, que também provocou Roseana. "Gostaria de saber da pretensa postulante ao cargo de presidente da República o que ela acha desse caixa 2 do Taniguchi", disse Marta.Queiroz seguiu a mesma linha, aproveitando-se do escândalo envolvendo o PT no Rio Grande do Sul: "Queria saber o que a Marta acha de uma sede do partido ser financiada pelo jogo do bicho."TáticaO presidente estadual do PT, Paulo Frateschi, disse que o PFL "se desqualifica e se presta a um servicinho sujo" ao levar "tanto ódio" para o debate político. "Mas essa vai ser a tática da campanha estadual: o PSDB mostrando realizações e o PFL batendo na gente", acredita.O vice-presidente do diretório paranaense do PFL, deputado federal Abelardo Lupion, disse que as afirmações de Marta não atingem o partido. "Lastimo que o PT já se utilize politicamente de algo que está na Justiça e que vamos provar que não existiu."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.