PT vai à Justiça com duas novas ações contra Serra

O comando da campanha de Dilma Rousseff (PT) acusou hoje o candidato do PSDB José Serra de querer "ganhar no tapetão" a eleição para a Presidência da República. Em mais um capítulo da novela envolvendo a quebra de sigilo fiscal dos tucanos, o PT vai entrar com outras duas novas ações contra Serra e uma representação na Procuradoria-Geral da República contra o presidente do PSDB, Sérgio Guerra.

VERA ROSA, Agência Estado

02 de setembro de 2010 | 16h39

"Se nosso adversário pudesse dizer que não foi Nero, mas sim nós que pusemos fogo em Roma, ele diria", afirmou o deputado José Eduardo Cardozo (SP), secretário-geral do PT e coordenador do comitê jurídico de Dilma. "É uma tentativa de ganhar no tapetão, no grito", acrescentou.

É a quinta vez que o PT entra na Justiça contra Serra, sob a alegação de que o candidato tucano caluniou e difamou Dilma e o partido. Uma outra representação será enviada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O argumento do PT é que Serra acusa Dilma de crimes sabendo que ela não os cometeu, com objetivos eleitorais. "É o equivalente à denunciação caluniosa no âmbito eleitoral", disse Cardozo.

Guerra também será alvo de ação do PT, por crime contra a honra, porque o partido considera que ele ofendeu a candidata. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada na edição de hoje, Guerra disse que "a campanha de Dilma e a ação eleitoral do presidente Lula representam forte ameaça à democracia".

Serra passou os últimos dias responsabilizando Dilma e o PT pela violação do sigilo fiscal de sua filha, Verônica, e de outras quatro pessoas ligadas ao PSDB. "Utilizar filho dos outros para ganhar a eleição é uma coisa que eu só tinha visto o Collor fazer com o Lula", fustigou Serra, numa referência à campanha de 1989.

Na ocasião, o então candidato à Presidência Fernando Collor (PTB), hoje senador, levou Miriam Cordeiro, antiga namorada de Lula, ao programa eleitoral de televisão. Na época, Miriam acusou Lula de pedir para que ela fizesse aborto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.