PT usa ação da PF para reorganizar militância e movimentos sociais

Dirigentes consideram mais fácil mobilizar os militantes com o mote de que Lula foi ‘vítima de abuso’ da Lava Jato

Ricardo Galhardo e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2016 | 03h00

A ação da força-tarefa da Operação Lava Jato que teve como alvo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na sexta-feira, tornou-se um fator que dirigentes do PT tentarão aproveitar para reunificar a militância e conter o afastamento dos movimentos sociais, insatisfeitos com a política econômica do governo.

Na avaliação do PT, é possível usar a comoção em torno de Lula após a Operação Aletheia para disputar o espaço das ruas com mais força e, dessa forma, se contrapor a uma nova onda de protestos pelo afastamento da presidente Dilma Rousseff, marcados para o próximo domingo.

Após a operação de sexta, os movimentos sociais começaram uma convocação pró-Lula já para terça-feira, Dia Internacional da Mulher. Outro ato contra o impeachment e em defesa de Lula e do PT está sendo preparado para o dia 18, cinco dias após os protestos contra Dilma, também na Avenida Paulista. Antes, a articulação seria feita só no fim do mês.

Os petistas acham que ficou mais fácil mobilizar a militância com o mote de que Lula teria sido “vítima de abuso” da Lava Jato. O ato realizado na quadra do Sindicato dos Bancários, na noite de sexta-feira em São Paulo, é um exemplo. Segundo organizadores, no ano passado a Central Única dos Trabalhadores (CUT) trabalhou duas semanas para tentar encher o local para um discurso de Lula e conseguiu só meia lotação. O ex-presidente não gostou. Anteontem, faltou espaço para o público solidário a Lula. “O que aconteceu hoje era o que precisava acontecer para o PT levantar a cabeça”, disse o próprio Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.