ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

PT terá atos no DF e em mais dois Estados

Diretórios regionais, que são responsáveis pelas convocações, alegam ter autonomia para organizar mobilizações

Isabela Bonfim, O Estado de S. Paulo

12 de março de 2016 | 20h00

BRASÍLIA - Ao menos três diretórios regionais do PT confirmaram atos políticos para este domingo, mesmo dia em que estão agendadas manifestações pró-impeachment. Após agravamento da crise política, com condução coercitiva e pedido de prisão preventiva do ex-presidente Lula, líderes do PT no Congresso já haviam recomendado que os militantes fossem às ruas apenas na próxima semana para evitar conflitos.

Os atos regionais com participação do PT estão confirmados nas capitais do Distrito Federal, Ceará e Rio Grande do Sul. Em Fortaleza e Porto Alegre, os atos foram convocados pela Frente Brasil Popular, uma organização que reúne movimentos sociais como a CUT, MST e UNE, além de receber apoio do PT e do PC do B. Já em Brasília, foram convocados pelo próprio diretório regional do partido.

“Havia uma orientação do PT Nacional para não fazer, mas já tínhamos marcado (o ato) e, por isso, resolvemos manter com uma característica de atividade cultural”, afirmou Roberto Policarpo, presidente do PT-DF. 

Segundo ele, não haverá marcha. A ação deve ficar concentrada na área da Torre de TV, onde haverá um trio elétrico com música. O deputado distrital Chico Vigilante (PT-DF) definiu o ato como uma “manifestação cívico-cultural em defesa da democracia”.

Segundo ele, pelo fato de não haver deslocamento na atividade, não há risco de confronto com manifestantes pró-impeachment. “Mais perigoso é o ataque que a direita vem fazendo ao Lula, ao governo Dilma e ao PT desde muito tempo. Chegou a hora que não podemos mais ficar calados”, afirmou Vigilante. 

Preocupação. O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), demonstrou preocupação com a manifestação petista. “Ele chegou inclusive a me ligar, fazendo algumas ponderações. Eu expliquei para ele o caráter do ato e reforcei que o que esperamos é que a Secretaria de Segurança Pública exerça seu papel”, disse Policarpo.

A assessoria do governador afirmou que ele se posiciona de forma neutra quanto aos dois movimentos, mas confirmou que, por razões de segurança, ele prefere que as manifestações do PT aconteçam em data diferente. Por direito constitucional, movimentos sociais não precisam de autorização para fazer manifestações públicas, mas devem comunicar o ato às autoridades para que o governo tome medidas necessárias de segurança. 

Segundo Policarpo, o diretório encaminhou à Secretaria de Segurança Pública do DF o comunicado sobre a manifestação há uma semana. A Secretaria respondeu em ofício com uma recomendação de que o ato não acontecesse.

Em Fortaleza, a Caravana Somos Todos Lula sairá do bairro de Parangaba, na região leste da cidade, rumo à praia. O ato está marcado para 9h, enquanto os movimentos contra o governo se reúnem na Praia de Iracema às 15h. Em Porto Alegre, as manifestações contrárias ocorrem em dois parques a menos de 2 km de distância um do outro e em horários próximos. 

Os diretórios regionais alegaram que têm autonomia para convocar manifestações. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.