PT tenta reverter queda de popularidade de Marta

O PT espera reverter, a partir de agosto, a queda da popularidade da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), disse hoje o presidente nacional da legenda, deputado federal José Dirceu (SP). "Nós temos condições de reverter isso no segundo semestre", acredita.A reversão do quadro negativo da performance dos governantes petistas, não apenas em São Paulo mas também em outros Estados e municípios, é essencial para o partido, já que um mau desempenho dos administradores petistas poderá fazer com que o PT perca votos nas eleições de 2002.A queda da popularidade de Marta, registrada nas pesquisas após ela ter completado, no último domingo, seis meses à frente do comando da maior prefeitura do País, está entre as maiores preocupações do PT, já que a gestão petista na capital paulista é considerada a principal vitrine do partido em 2002. De acordo com a pesquisa do InformEstado publicado no último domingo, o governo de Marta foi reprovado por 40,2% dos entrevistados. Para 50,3% deles, a administração da petista foi considerada igual à do ex-prefeito Celso Pitta (PTN).A avaliação negativa do governo petista em São Paulo, e com ela a queda de popularidade da prefeita, já era esperada pelo partido, segundo Dirceu. "Não precisa fazer pesquisa para detectar isso. O PT é um partido popular. Sabíamos que medidas como o aumento da tarifa de ônibus e a reestruturação da saúde (extinção do Plano de Atendimento à Saúde - PAS) iriam ter um impacto negativo."Dentro do PT, há ainda quem atribua a queda da popularidade de Marta a um deficiente projeto de comunicação e divulgação das ações da prefeitura, segundo o presidente da legenda. "Há avaliação de que é preciso se comunicar melhor com a sociedade", confirmou.Dirceu afirmou que o PT, no entanto, já está preparando medidas, que virão a ser adotas por Marta no segundo semestre, para recuperar o índice de aceitação da prefeita. Ele reiterou que não há separação entre o partido e a prefeita. "O PT é governo. Estamos juntos da Marta para as situações de ônus e bônus", declarou. "Não precisamos procurar a Marta para discutir seu governo. Mesmo porque nós estamos com ela sempre. Nós participamos do governo", disse.O presidente nacional da legenda negou a intenção de convocar a prefeita de São Paulo para dar explicações sobre seu governo na próxima reunião do diretório nacional, nos dias 13 e 14.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.