PT suspende vereador que votou contra Marta

O vereador Carlos Giannazi foi suspenso nesta quinta-feira pelo PT de São Paulo por ter votado contra as alterações nos gastos de educação propostas pela prefeita Marta Suplicy. Enquanto estiver suspenso, o vereador será afastado das comissões permanentes da Câmara Municipal e não poderá responder pela legenda nesse período.O vereador reagiu com tranqüilidade à decisão. "Na comissão de ética terei a oportunidade de me defender", alegou. Mesmo assim, ele considerou a decisão arbitrária. "Antes de ser suspenso eu tinha de ser ouvido pela direção do partido", disse.Na reunião no diretório municipal do partido, ficou decidido que o processo contra Giannazi será analisado pela comissão de ética do PT. No final do processo, que deve durar cerca de 60 dias, a comissão irá definir que tipo de punição será aplicada ao vereador, que pode variar de uma advertência pública à expulsão do partido. Nesse período, ele permanecerá suspenso. O processo contra Giannazi é decorrente da posição do vereador em relação à alteração dos gastos no setor da educação. O parlamentar sempre foi contra as alterações propostas pelo Executivo, sob a alegação de que haverá redução nos investimentos da Prefeitura na manutenção e desenvolvimento do ensino.Durante o processo de votação dos projetos, Giannazi chegou a sofrer uma advertência pública e votou contra as alterações, tanto no projeto de revisão da Lei Orgânica do Município - que permite a aplicação de outros gastos na educação - como no projeto de lei que define quais programas que podem ser considerados como gastos em educação. Entre eles, os programas sociais Renda Mínima e Bolsa-Trabalho, e gastos com material e transporte escolar. Os dois projetos foram aprovados na semana passada e as mudanças irão vigorar a partir de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.