PT sugere Wellington Dias para Conselho de Ética

Andamento do processo contra o senador Demóstenes Torres depende da definição de novo presidente; pelas regras, cargo cabe ao PMDB, mas partido não indicou nomes

Ricardo Brito, da Agência Estado

03 de abril de 2012 | 17h29

BRASÍLIA - O líder do PT no Senado, Walter Pinheiro (BA), afirmou nesta terça-feira, 3, que sugeriu o nome do colega de bancada Wellington Dias (PI) para assumir a presidência do Conselho de Ética na condução do processo de quebra de decoro parlamentar envolvendo o senador Demóstenes Torres (DEM-GO). O PSOL pediu a abertura de processo contra Demóstenes, apontado como sócio do empresário do ramo dos jogos de azar Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal na operação Monte Carlo.

O Conselho de Ética está sem comando desde a semana passada, quando o presidente interino, senador Jayme Campos (DEM-MT), se declarou impedido de tocar as investigações contra seu colega de partido. Pelo critério da proporcionalidade das bancadas, o cargo cabe ao PMDB, mas o partido não indicou ninguém para o posto desde que o senador João Alberto Souza (PMDB-MA) afastou-se, em setembro passado. Ele saiu da Casa para ocupar um cargo no governo Roseana Sarney.

No discurso em plenário, Pinheiro fez questão de ressaltar que a indicação de Wellington Dias só será feita se o PMDB não apresentar um nome próprio. "Se o PMDB tiver outro nome, nós apoiaremos integralmente", ressalvou o líder petista.

Nos bastidores, o PT quer pressionar o PMDB a agilizar o andamento do caso Demóstenes. O líder peemedebista, Renan Calheiros (AL), já avisou que pretende ouvir a bancada antes de tomar uma decisão. Na semana passada, Renan chegou a dizer que não havia necessidade de o Senado abrir uma investigação no Senado contra Demóstenes, já que o caso estava sob apuração da Justiça. O senador do DEM havia apelado a Renan para tentar salvar o mandato.

O conselho marcou encontro para a próxima terça-feira, 10, para eleger seu novo presidente. Pinheiro defendeu uma apuração rigorosa no Senado das denúncias que envolvem Demóstenes. "Queremos a apuração de todos esses crimes, que todos sejam apurados, não somente o decoro. Queremos que todo o processo, que tem vazado, não sofra solução de continuidade", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
PTConselho de ÉticaSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.