PT-SP entra com representação para investigar racismo

O presidente estadual do PT-SP, Emidio de Souza, afirmounesta quinta-feira, 9, durante a abertura de uma plenária que o partido realiza na capital paulista que a campanha pela reeleição da presidente Dilma Rousseff não será pautada no ódio e nos ataques. "Nossa campanha não é do ódio, a nossa campanha é para derrotar o ódio", disse.

CARLA ARAÚJO E RICARDO GALHARDO, Estadão Conteúdo

09 de outubro de 2014 | 20h28

Emídio afirmou ainda que o diretório estadual vai apresentar nessa sexta-feira, 10, uma representação para que seja investigado o site que "propagou o racismo contra os nordestinos". "Espero que o Ministério Público, tão cioso na investigação quando se trata de gente nossa, tenha a mesma (postura) e não permita esse crime inafiançável". O presidente petista disse ainda que a militância precisa defender os nordestinos e dizer: "Nordestino é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo".

Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso se envolveram ontem, 8, em mais uma polêmica eleitoral, dessa vez sobre a qualidade do voto no primeiro turno e a vitória do PT nos Estados do Nordeste. A polêmica teve origem na segunda-feira, quando, em entrevista aos blogueiros Josias de Souza e Mário Magalhães, do UOL, o ex-presidente tucano disse que o PT cresceu nos grotões do País e tem o voto dos "menos informados".

No dia seguinte, no Facebook, Lula replicou com um post no qual disse, sem mencionar Fernando Henrique, que acha "um absurdo que o Nordeste e os nordestinos sejam caracterizados como ignorantes ou desinformados". A tréplica do tucano foi direta: ontem, por meio de nota, disse que Lula "não se emenda, vive de pegadinhas".

Tudo o que sabemos sobre:
PTSão pauloemídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.