PT seguirá regimento do Senado sobre Renan, diz Berzoini

Partido diz que Conselho não tem prerrogativa para investigar presidente do Senado

Agencia Estado

03 de julho de 2007 | 14h47

O presidente do PT, deputado federal Ricardo Berzoini (SP), disse nesta segunda-feira, 2, que o partido defenderá o cumprimento das leis e do regimento do Senado na questão que envolve o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL).Na avaliação da legenda, o Conselho de Ética não tem prerrogativa e instrumental para investigar Renan. "A investigação será longa, pois envolve questões fiscais e tributárias. Não se pode fazer nenhum julgamento sumário", afirmou.O partido defende o cumprimento das leis e do regimento do Senado na condução do caso. "O que foi questionado já foi respondido", disse Berzoini, em referência à representação feita pelo senador José Nery (PSOL), que pedia esclarecimentos sobre se a construtora Mendes Júnior pagava a pensão de Mônica Veloso, mãe de uma filha de Renan.Apesar do acirramento da oposição no Senado, Berzoini não acredita que o escândalo possa prejudicar a votação da lei de diretrizes orçamentárias antes do recesso parlamentar. "Os parlamentares que têm responsabilidade sabem que uma coisa é a investigação no Conselho de Ética e outra é o interesse nacional", finalizou.Adiamento A oposição cogita adiar a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) como forma de não interromper o processo por quebra de decoro parlamentar contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), no Conselho de Ética. Pela lei, o Congresso só entra em recesso se a LDO, que traz os princípios para o Orçamento da União do ano seguinte, for aprovada. O recesso do Congresso tem início em 18 de julho e vai até o final do mês. "O recesso não será barreira ao processo de investigação. Se isso significar não votar a LDO, não votaremos", disse o líder do Democratas, senador José Agripino (RN).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.