PT se organiza para afinar ofensiva pró-Dilma

Fundação Perseu Abramo vai fazer reuniões para debater crise e minar resistência a ministra

Tânia Monteiro e Leonencio Nossa, O Estadao de S.Paulo

17 de março de 2009 | 00h00

A Fundação Perseu Abramo, que reúne desde 1996 os intelectuais do PT, vai ajudar a aproximar a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, dos setores do partido que ainda resistem à candidatura dela à Presidência em 2010. Uma série de seminários sobre a crise financeira está agendada para as principais capitais nos próximos meses. A estratégia da fundação é colaborar com um esboço do projeto de governo da provável candidata e afinar o discurso da ministra, oriunda do PDT, com o da militância e dos líderes dos diretórios estaduais petistas.Os seminários da Perseu Abramo serão realizados, numa primeira etapa, em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Recife e São Paulo. Numa segunda fase, os debates serão levados para uma outra capital nordestina, ainda não definida, e cidades do Sul, do Norte e do Centro Oeste. Enquanto isso, Dilma já confirmou presença numa palestra sábado para um grupo de petistas do Rio de Janeiro e em um seminário sobre a crise financeira no dia 27 na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.Antes, nesta quinta-feira, ela estará em Fortaleza, junto com o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, para visita a uma obra prevista no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).A agenda da ministra já é mais intensa do que a do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Além de acompanhar Lula em viagens para inspecionar obras do PAC e até internacionais, ela montou uma agenda própria, com visitas a dirigentes do PT, entidades sindicais e órgãos de governos estaduais e participação em seminários sobre assuntos diversos, como direitos da mulher e direitos humanos.Por enquanto, três petistas estão escalados para articular a campanha da ministra. Sem cargo no governo federal, os ex-prefeitos Marta Suplicy, de São Paulo, João Paulo, do Recife, e Fernando Pimentel, de Belo Horizonte, receberam pedido de Lula para colaborar e coordenar em suas regiões a campanha de Dilma. Ao mesmo tempo, Lula conseguiu, com o convite, se livrar dos pedidos dos três por espaço na máquina federal, segundo assessores.ADIADOO primeiro seminário da Perseu Abramo, em Belo Horizonte, estava marcado para o próximo dia 23, mas foi adiado. Lula pediu a Dilma empenho, nos próximos dias, na preparação do Plano Nacional de Habitação, chamado de PAC da Habitação. O governo federal anuncia a meta de construir um milhão de casas populares até o final do mandato. Além de uma medida para enfrentar a crise econômica, o plano visa a reforçar a imagem da ministra nas periferias das grandes e médias cidades.Até pouco tempo, Dilma evitava dar entrevistas e fazer declarações sobre economia. Ela argumentava que o assunto é de responsabilidade dos integrantes da equipe econômica, como os ministros Guido Mantega (Fazenda) e Henrique Meirelles (Banco Central). Lula, no entanto, orientou a ministra a entrar no debate sobre a crise para mostrar que ela domina um assunto fundamental na disputa sucessória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.