Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PT-RS pede realização imediata de congresso para escolher nova direção nacional do partido

Ex-governadores do Rio de Grande do Sul, Tarso Genro e Olívio Dutra assinaram manifesto que defende a realização de um congresso nacional do PT o mais rápido possível

Gabriela Lara, correspondente, O Estado de S. Paulo

28 Outubro 2016 | 12h00

PORTO ALEGRE - Líderes do PT no Rio Grande do Sul lançaram um manifesto a favor de mudanças profundas no partido. A principal reivindicação é pela realização de um Congresso Nacional do PT, o mais rápido possível, para escolher a nova direção da legenda. Nomes como os ex-governadores gaúchos Tarso Genro e Olívio Dutra assinaram um abaixo-assinado defendendo a proposta.

"O partido precisa debater o que fazer e escolher uma nova direção. Precisamos realizar imediatamente um congresso partidário. Um congresso que tenha início nas bases, no encontro de nossa militância consigo mesma", diz o manifesto lançado nesta quinta-feira, 27.

As lideranças gaúchas são contrárias à ideia de escolher a nova direção por meio de um Processo de Eleições Diretas (PED), porque entendem que isso seria trocar o debate pelo voto em urna. Além disso, esse mecanismo demoraria mais em acontecer - o PED só seria viável na metade do ano que vem. "Não basta trocar os dirigentes, é preciso debater a linha política da direção", afirma o texto. "A realização de mais um PED não é suficiente. Defendemos a renovação da direção em todos os níveis."

O manifesto também destaca que o "golpe" sofrido pelo PT decorre, "em alguma medida", dos próprios erros cometidos pelo partido, do atraso em tomar determinadas decisões, de uma política de alianças superada e, ainda, do que o partido "fez ou deixou de fazer" na política econômica.

Crise. Para Tarso Genro, o PT precisa buscar alternativas e se conectar com suas referências históricas. "Somos um partido em crise", disse. Segundo ele, a unidade construída pelo PT gaúcho deve inspirar a sigla no resto do País para encontrar uma saída para este momento.

Já Olívio Dutra disse que o PT precisa falar francamente, reconhecer que caiu no pragmatismo e, desta forma, fazer a autocrítica necessária. "O teto da casa caiu, mas seus alicerces e seus fundamentos estão de pé", avaliou.

O ato de lançamento do manifesto também teve a participação do presidente do partido no Rio Grande do Sul, Ary Vannazi, de deputados e outras lideranças. A posição do PT-RS coincide com a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tem dito, em conversas com as principais correntes internas da legenda, que é favorável a uma decisão rápida, por meio de um Congresso Nacional, para escolher a nova direção petista. A proposta contraria a corrente majoritária Construindo um Novo Brasil (CNB), que defende a realização do PED.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.