PT reforça parceria com PS francês

A aproximação do PT com o Partido Socialista (PS) francês vai muito além do acordo de apoio recíproco nas campanhas eleitorais de Luiz Inácio Lula da Silva e Lionel Jospin para a Presidência de seus países. Até porque o primeiro-ministro já deu aval a Lula na campanha de 1998.Mas não é só isso. A idéia é "globalizar experiências" para o programa de governo de Lula, que, com perfil mais light, deve ficar pronto em junho. Além disso, os dois partidos lideram um movimento para a criação do Foro de Porto Alegre - uma espécie de Foro de São Paulo amplificado -, a partir do ano que vem. "Não fizemos simplesmente um acerto eleitoral", diz o deputado Aloizio Mercadante (SP), secretário de Relações Internacionais do PT. Na lista de assuntos que serão discutidos entre o PT e o PS, estão a segurança pública, a reforma do Estado e o modelo de integração da União Européia, que a cúpula petista gostaria de adaptar ao Mercosul.Mercadante diz que serão montados grupos de trabalho. Em abril, Lula deve subir no palanque de Jospin. A recíproca, porém, não é verdadeira. O apoio da Rive Gauche virá por meio de projetos, apesar das resistências de correntes radicais do PT a Jospin, considerado um "social-democrata"."Se a gente fizesse aqui algumas das medidas executadas por Jospin, como a redução da jornada de trabalho para 35 horas e a garantia de subsídios para os produtores rurais, com tratamento mais soberano das questões nacionais, seria muito bom", afirma o prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues (PT), da ala esquerda do partido.Edmilson sustenta, porém, ter preocupação com os termos do acordo de solidariedade internacional. "Precisamos deixar claro que é uma troca e não pode haver relação subalterna porque em geral, o Primeiro Mundo tende a impor princípios ao mundo subdesenvolvido."Lula e a prefeita da cidade de São Paulo, Marta Suplicy (PT), devem gravar uma mensagem de apoio a Jospin. "Já existe um namoro antigo entre o PS e o PT, mas agora haverá mudança de qualidade do relacionamento entre os dois partidos, como a colaboração programática e a discussão de temas da política externa", afirma o prefeito de Ribeirão Preto, Antônio Palocci, cotado para coordenar o programa de governo de Lula.Foi justamente com a idéia de criar uma rede internacional de partidos de esquerda que começaram as negociações para montar o Foro de Porto Alegre. "Estamos sugerindo seja constituído um foro com caráter pluralista para debater somente articulações partidárias", diz Mercadante. O Foro de São Paulo surgiu em 1990 com o objetivo de debater o futuro do socialismo após a queda do Muro de Berlim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.