PT quer usar gravação de Jucá para defender Dilma em processo de impeachment

Em etapa mais técnica, objetivo é pedir diferentes documentos e perícias e também fazer uso político de situações negativas no governo Temer

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2016 | 15h54

BRASÍLIA - O PT se prepara para uma fase mais técnica do processo de impeachment. O objetivo é pedir diferentes documentos e perícias, mas também fazer uso político de situações negativas no governo Temer. Para aproveitar a primeira crise do presidente em exercício, os petistas querem inserir a gravação do ex-ministro do Planejamento, Romero Jucá, no processo.

A comissão processante retornou aos trabalhos nesta quarta-feira, 25, e o relator Antonio Anastasia (PSDB-MG) apresentou uma sugestão de calendário para os trabalhos. O cronograma será votado pelo colegiado na próxima semana. Na proposta, constam duas semanas dedicadas a ouvir testemunhas, apresentação de documentos e perícias.

Nessa etapa, os petistas querem trazer o diálogo entre o senador Jucá (PMDB-RR) e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. O objetivo é alegar que há vício no processo de impeachment, à semelhança do que foi feito quando o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi afastado do cargo pelo Supremo sob o argumento de desvio de finalidade na função.

Da mesma forma, os petistas querem fazer uma correlação da atuação de Jucá, que foi um dos principais articuladores do processo de impeachment, com desvio de finalidade. "Ele fala na conversa que é preciso trocar o governo, fazer o impeachment. Mas ele não fala ali sobre pedaladas, sobre créditos suplementares. O argumento é parar a Lava Jato", disse o petistas Lindbergh Farias (PT-RJ). No diálogo Jucá fala sobre trocar o governo para "estancar" a operação da Polícia Federal. 

Na sessão desta quarta, o presidente da comissão, Raimundo Lira (PMDB-PB), recusou o pedido de suspensão dos trabalhos por alegação de vício, considerando a atuação de Jucá. Os petistas querem levar a questão à Procuradoria Geral da República e ao Supremo.

Provas. Além da gravação de Jucá, a defesa da presidente Dilma pedirá documentos relacionados ao Plano Safra para demonstrar que não há autoria de Dilma Rousseff nas chamadas pedaladas, que atrasou repasses do governo ao Banco do Brasil.

A defesa pretende ainda trazer perícias feitas por consultorias externas demonstrando que a edição de créditos suplementares não alterou a meta fiscal, de forma que não haveria então crime de responsabilidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.