PT quer candidato próprio para as eleições de 2010

A construção de uma candidaturaprópria para as eleições presidenciais de 2010 está em debateno PT e faz parte dos temas tratados no 3o Congresso Nacionalda legenda, que teve início na noite de sexta-feira em SãoPaulo. O tratamento antecipado do tema contraria o desejo doPlanalto, que considera precoce a discussão. Manifestada pelas correntes que integram o partido, acandidatura para as próximas eleições presidenciais traz umingrediente novo: a ausência do presidente Luiz Inácio Lula daSilva na disputa. Seu nome foi consenso no partido desde 1989,com vitória em dois pleitos. "O partido, com a dimensão que tem, não pode abdicar dodireito de tentar construir uma candidatura própria", afirmou ajornalistas Arlindo Chinaglia (PT-SP), presidente da Câmara dosDeputados. Ele admite que o assunto ainda é delicado dentro do partidodo governo. "Este é o fio da navalha que este congresso tem quetrabalhar", analisou Chinaglia. O ministro da Justiça, Tarso Genro, também defende umacandidatura do PT. "A minha opinião é que o PT pode e deve tercandidato próprio em 2010", disse. A busca de unidade entre os partidos da coalizão, num totalde onze atualmente, também vem sendo defendida. "É lógico, é evidente (que o PT terá candidatura), o quenão significa que o candidato tenha que ser do PT. O ideal éque haja uma candidatura da coalizão, caso contrário vamos nosunir no segundo turno, mas acredito que podemos darcontinuidade aos oito anos de Lula", disse o ex-ministro JoséDirceu, na condição de delegado do partido no congresso. Dirceuafirmou que uma candidatura da coalizão é também o desejo dopresidente Lula. Desde de terça-feira, Dirceu responde a processo peloscrimes de lavagem de dinheiro e corrupção ativa por supostaparticipação no esquema do mensalão. o que não impediu quefosse aplaudido pelos militantes presentes no encontro. Na mesma direção de Dirceu, Chinaglia disse que aantecipação do debate sobre 2010 pelo PT não deve constrangeros partidos da base aliada "Os partidos da coalizão também têmseus direitos, outras candidaturas podem surgir", previu opresidente da Câmara. Mesmo integrantes de correntes de esquerda, como osecretário da sigla Valter Pomar, acreditam na candidatura dopartido. Voz isolada, a ministra do Turismo, Marta Suplicy, quevez por outra é citada como possível candidata para 2010, disseque o tema não seria discutido no congresso, estaria "fora dapauta". O congresso, que tem poderes para alterar o estatuto dopartido, recebe neste sábado a presença do presidente Lula.Ainda não está claro se o tema da candidatura estará nodocumento final do encontro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.