PT quer ampliar investigações sobre casa de Yeda

A deputada estadual Stela Farias (PT) pediu hoje ao procurador-geral do Ministério Público de Contas, Geraldo Da Camino, que amplie as investigações sobre a aquisição da casa da governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB). O PT considera que uma promessa de compra do imóvel por R$ 1 milhão, assinada pelo empresário José Luís Borsatto em agosto de 2006, indica que a aquisição feita por Yeda e seu marido, Carlos Crusius, em dezembro do mesmo ano, pode conter irregularidades porque o negócio foi registrado por um valor inferior, de R$ 750 mil. Além disso, o partido quer que o Ministério Público de Contas verifique se o Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) lançou na conta de provisão de créditos de liquidação duvidosa dívidas que o vendedor do imóvel, Eduardo Laranja da Fonseca, teria com a instituição. O advogado Paulo Olímpio Gomes de Souza, representante da governadora e do marido dela, considera a promessa de compra de Borsatto como inválida porque não está assinada por Fonseca. Ele também sustenta que o vendedor queria o pagamento em dinheiro, enquanto o empresário oferecia um imóvel para quitar a maior parte do negócio. Lembra ainda que em outubro de 2006 a casa foi oferecida em anúncios por R$ 850 mil. A compra da casa de Yeda foi objeto de polêmica durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Em depoimento aos deputados, o delegado da Polícia Civil Luiz Fernando Tubino disse ter conhecimento de que o empresário tucano Lair Ferst teria pago R$ 400 mil do negócio emitindo um cheque honrado com sobras da campanha. Mas admitiu não ter provas. Da Camino começou a analisar o caso hoje e deve se pronunciar em 15 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.