PT promete recuperar áreas afetadas pelo governo FHC

O coordenador do grupo que elaborou o novo programa econômico do PT, Guido Mantega, disse hoje que a proposta do partido "vai esboçar uma política a longo prazo para recuperar todas as áreas afetadas pelo governo anterior". O programa está sendo apresentado hoje a economistas não vinculados ao partido. O objetivo, segundo Mantega, é coletar críticas e sugestões para que o documento, de 44 páginas, seja aperfeiçoado e possa ser apresentado a todas as correntes da legenda. "A partir dos comentários, vamos tornar o documento legível para o grande público. Até aqui, o programa tem caráter acadêmico", afirmou.Segundo ele, o documento tem como base mudanças no modelo econômico brasileiro, com ênfase ao mercado interno. Ele disse ainda que a proposta é de crescimento sustentado. O principal assessor econômico do PT descartou que o programa econômico do partido vise a interromper o fluxo de capitais. "Interromper coisa nenhuma. Pelo contrário. Hoje, a vulnerabilidade externa exige que nós continuemos a atrair investidores para o País, sem os quais nós não conseguiremos fechar nossas contas públicas", disse.Mantega afirmou ser necessário, no entanto, haver seleção dos investidores. "Precisamos atrair, por exemplo, empresas que venham substituir as importações de eletroeletrônicos", disse.A proposta mostra que o partido mudou, na avaliação do consultor Antoninho Marmo Trevisan. "Mudou e mudou muito. E para melhor. O documento mostra que o PT está mais aberto", disse. Trevisan é um dos 20 convidados estão reunidos com as lideranças do PT, ente elas o presidente de honra do partido, Luiz Inácio Lula da Silva.Segundo ele, a nova proposta econômica prioriza o empresariado. "O documento procura valorizar o empresariado brasileiro e propõe uma ampla reforma tributária", analisou. Para ele, no entanto, a proposta petista tem pontos que precisam ser melhorados. "Mas não acredito que haverá resistência", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.