ROBSON SOUZA|FUTURA PRESS
ROBSON SOUZA|FUTURA PRESS

PT previsa inverter as prioridades em SP, diz Jair Tatto sobre eleições

Para o vereador petista, Haddad já melhorou muito o contato com a população, deixando mais o gabinete do que no início do mandato, mas há espaço para fazer mais

Ana Fernandes, O Estado de S. Paulo

05 Novembro 2015 | 17h18

São Paulo - O PT municipal discute nesta tarde, na Câmara de Vereadores de São Paulo, estratégias para as eleições do ano que vem. Ao deixar a sala onde o encontro acontece, o vereador Jair Tatto disse que um dos principais pontos falados na reunião até o momento é como o partido vai se fortalecer na periferia, que era um tradicional reduto petista e onde o prefeito Fernando Haddad tem apenas 12% de aprovação - ante 15% de aprovação geral na cidade e 23% entre os mais ricos, segundo o Datafolha.

"É preciso inverter as prioridades, verter mais dinheiro para as subprefeituras, investir mais nas regiões onde vai ter impacto para o cidadão", disse Jair Tatto. O vereador diz que outro ponto é mudar a agenda do prefeito. A avaliação dele é de que Haddad já melhorou muito o contato com a população, deixando mais o gabinete do que no início do mandato, mas há espaço para fazer mais. "Tem que falar com a população, não só fazer agenda em que o prefeito cumprimenta funcionários da Prefeitura."

No ano passado, após pressão do PT, Haddad tirou a coordenação de publicidade do secretário de Comunicação, Nunzio Briguglio, e passou para Chico Macena, atual secretário de Governo e figura tradicional do partido. A vinda do deputado estadual José Américo, que foi da direção nacional do PT, para o núcleo duro do governo Haddad também é bem vista pela bancada de vereadores e pela Executiva Municipal. Américo assumiu a pasta municipal de Relações Governamentais. "O Zé não está cuidando diretamente de comunicação, mas a vinda dele foi muito positiva e vai ajudar muito (nas eleições de 2016)", avaliou Jair Tatto.

O vereador acredita que a candidatura de Marta Suplicy pelo PMDB será inevitável e admitiu que a senadora preocupa o partido, pela força que tem na periferia, com potencial para disputar espaço com Haddad em tradicionais redutos petistas. Mas pondera que, com diálogo e a propaganda adequada, o prefeito poderá enfrentá-la com tranquilidade. "Ela fez um bom governo (como prefeita), mas com quem? Com o PT. A gente vai reforçar isso."

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, foi convidado e participa da reunião com a bancada de vereadores e Executiva Municipal. O encontro é coordenado pelo presidente do PT municipal, vereador Paulo Fiorillo, que trouxe uma proposta de resolução com estratégias para as eleições na capital paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.