PT pretende tirar Vale do Paraíba de controle tucano

Expectativa é eleger pelo menos 15 prefeitos para manter hegemonia

José Maria Tomazela, O Estadao de S.Paulo

24 de setembro de 2008 | 00h00

O PT quer ampliar o número de prefeituras no Vale do Paraíba, tradicional reduto tucano no Estado. O partido, que governa apenas três municípios - Jacareí, Lavrinhas e São Bento do Sapucaí -, lançou candidatos a prefeito em 12 cidades. O PSDB, que na eleição passada elegeu 12 prefeitos, mas perdeu dois para outras siglas, concorre em 25 cidades. A expectativa é eleger pelo menos 15 prefeitos para manter a hegemonia.Na eleição anterior, os tucanos ganharam 19 prefeituras. Os dois partidos disputam acirradamente em São José dos Campos, maior colégio da região, com 400.552 eleitores. O atual prefeito, o tucano Eduardo Cury, está na frente, segundo pesquisa Ibope, com 45% das intenções de voto.O petista Carlinhos Almeida tem 33% e espera virar no segundo turno. Em Taubaté, segunda maior cidade, o tucano Ortiz Júnior lidera com 32%. O prefeito Roberto Peixoto, do PMDB, tem 24% e sua vice é a petista Vera Saba. O PT corre o risco de perder em Jacareí, terceiro maior colégio eleitoral. O candidato Hamilton Mota saiu atrás na disputa com Junior Raad, do PSDB, e Maurício Haka, do DEM. De acordo com o coordenador da macrorregião Salvador Soares, os candidatos petistas foram orientados a mostrar os investimentos do governo Lula na região. "A intervenção do governo federal é muito forte", garante, ao enumerar obras como a ampliação de uma usina hidrelétrica e a modernização da Refinaria Henrique Lage (Revap), em São José dos Campos. Lula gravou mensagens que são usadas no horário eleitoral. Soares acredita que o PT fará prefeitos também em Caçapava e Campos do Jordão, além de Ubatuba. O litoral norte integra a região. Já o PSDB aposta também nas prefeituras de Caraguatatuba e Pindamonhangaba. Outros municípios estão sendo disputados pelo DEM e pelo PMDB. O DEM governa Caçapava e Guaratinguetá com boas chances de reeleição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.