PT pressiona Tilden a escolher entre partido e cargo em Minas

Ex-embaixador de Cuba, petista se defende dizendo que não se licencia pois assumiu cargo técnico na Cemig

Eduardo Kattah, do Estadão,

07 de agosto de 2007 | 19h41

A executiva estadual do PT concedeu ao ex-embaixador do Brasil em Cuba, Tilden Santiago, um prazo para que ele decida pela licença partidária ou desista do cargo de assessor para o meio ambiente da presidência da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que assumiu a convite do governador Aécio Neves (PSDB).   Tilden se reuniu na última segunda-feira com 10 dos 21 integrantes da direção do PT no Estado. Recentemente, no encerramento do 3º Congresso Estadual do partido, os petistas mineiros aprovaram resolução em que reafirmam conduta de oposição a Aécio e proíbem aos filiados de participar do governo estadual.   A decisão do ex-embaixador constrangeu o PT em Minas, mas as lideranças evitam qualquer condenação pública. Tilden, por sua vez, se defende afirmando que o cargo na Cemig é "técnico" e não vê necessidade de se licenciar.   Ao deixar a embaixada do Brasil em Cuba, no final de fevereiro, o ex-embaixador tentou, sem sucesso, assumir a presidência da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). No encontro com os petistas, ele disse que aceitaria ser indicado para um cargo de segundo ou terceiro escalão do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, no Estado, mas não houve convite.   A executiva estadual do PT não definiu o período que Tilden terá para se decidir. "Agora vou meditar", afirmou o ex-embaixador, que tem dito que não pretende deixar a assessoria na Cemig.

Tudo o que sabemos sobre:
Tilden SantiagoCemigPT de Minas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.