PT precisa se esforçar mais para eleger Chinaglia, diz Fontana

O líder do PT na Câmara, Henrique Fontana (RS), reconheceu que o partido terá de negociar mais com os aliados se quiser emplacar o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) na presidência da Câmara no lugar do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP). Na avaliação de Fontana, entre 100 e 110 deputados de partidos da base votaram a favor do candidato Aroldo Cedraz (PFL-BA) e derrotaram o deputado governista Paulo Delgado (PT-SP) na eleição de quarta-feira para a vaga do Tribunal de Contas da União (TCU). "A eleição para o TCU mostrou um problema real que nós temos de enfrentar", afirmou Fontana. "A base tem de assumir uma outra postura em relação à presidência da Câmara. Não vamos ter a repetição de ontem na eleição de fevereiro", continuou o líder. Fontana mais uma vez defendeu o direito do PT em lançar um candidato à disputa pela presidência da Casa. "Se o recado (derrota na eleição para o TCU) foi o veto ao PT, é um erro político da base", avaliou o petista. "Não vetamos ninguém nem aceitamos ser vetados nessa disputa", disse. Ele atribuiu a um "erro da base" a derrota de Delgado e a vitória do deputado pefelista. Na Câmara, a avaliação entre os deputados governistas e de oposição é que a derrota de Delgado no dia seguinte ao lançamento da candidatura Chinaglia à presidência foi um aviso da base contra o projeto de poder do PT. Fontana e deputados petistas acreditavam que os partidos da base que realizam a prévia que escolheu Delgado votariam no único candidato governista. Delgado obteve 148 votos no plenário. Ele teria vitória garantida se os 213 deputados que participaram da prévia votassem a seu favor. "O PT precisa descobrir que há vida inteligente fora do PT", avaliou o deputado Luiz Antonio Fleury (PTB-SP), um dos candidatos que abriram mão da candidatura ao TCU a favor de Delgado, depois da prévia entre os partidos aliados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.