Fábio Motta|Estadão
Fábio Motta|Estadão

"PT precisa fazer uma reflexão", diz advogado de Dilma

Para o ex-ministro José Eduardo Cardozo, o PT não é a raiz da corrupção no País e o Brasil possui um problema institucional, dentro do sistema político

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2016 | 01h52

BRASÍLIA - Ex-ministro da Justiça e atual advogado da presidente Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, que também já foi deputado pelo PT, avalia que o partido precisa fazer uma reflexão. "O PT tem um papel na história do Brasil que não pode ser desprezado. É muito importante que o PT faça uma reflexão, avalie os seus erros. O PT precisa, sem mudar de lado, repensar o seu posicionamento na democracia", disse o advogado em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

Cardozo analisa que o partido ganhou uma fama negativa ao tentar coibir a corrupção, o que para ele é um dos principais legados do governo de Dilma Rousseff. "Quando um governo ousa enfrentar a corrupção, ele recebe diretamente o peso e o impacto de seu combate. Quando um governo não barra investigações, não se há engavetadores, como houve no passado, quando ele deixa a coisa fluir, cria leis, ele paga um preço por isso", afirmou.

Para o advogado, o PT não é a raiz da corrupção no País e o Brasil possui um problema institucional, dentro do sistema político. "Tenho vergonha do sistema político brasileiro. O sistema gera corrupção, os partidos entram no jogo e as pessoas caem no jogo. Ou nos conscientizamos que temos que mudar, ou iremos demonizar o partido A ou B, quando o demônio está nos sistema."

Impeachment. O advogado também comentou a reta final do processo de impeachment de Dilma Rousseff, cujo julgamento se iniciará nessa quinta-feira. Cardozo avalia como positiva a ida da presidente ao Senado para depor, apesar das críticas de senadores tucanos, que afirmam que, caso ela esteja presente, irá legitimar o processo que chama de golpe.

"Se fosse correta essa visão, nem advogado deveria ter. Temos que usar o processo para denunciá-lo, usar o golpe para mostrar a farsa que se constrói. Esse é o papel que temos nesse processo, se não conseguirmos revertê-lo", afirmou.

O advogado reiterou a tese de golpe de Estado e a ausência de crime de responsabilidade no processo contra Dilma. Em sua leitura, a presidente é vítima de uma confluência de forças, de um lado aqueles que não aceitaram ter perdido as eleições de 2014, e do outros aqueles que estão insatisfeitos com o avanço da operação Lava Jato.

Somado a isso, Cardozo acredita que Dilma também sofreu com um conjuntura internacional que agravou a crise econômica e que aqueles que arquitetam o processo de impeachment usam a questão econômica e a baixa popularidade da presidente de forma oportunista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.