PT precisa de mais R$ 91 milhões para segundo turno

No primeiro turno, já foram arrecadados cerca de R$ 100 milhões e gastos R$ 95 milhões

Malu Delgado, O Estado de S. Paulo

18 de outubro de 2010 | 22h08

A disputa no segundo turno das eleições presidenciais obrigou o PT a assumir uma despesa extra nos Estados que pode elevar o custo total da campanha de R$ 157 milhões para R$ 191 milhões. No primeiro turno, segundo o tesoureiro da campanha, José de Filippi Júnior, já foram arrecadados cerca de R$ 100 milhões e gastos R$ 95 milhões. O partido agora inicia novos contatos com potenciais doadores para arrecadar os R$ 91 milhões restantes para o segundo turno.

 

"Os gastos totais da campanha devem ficar em R$ 176 milhões para o comitê de Dilma e outros R$ 15 milhões para o de Michel Temer", explicou o tesoureiro.

 

O PT estimava um gasto inicial para o segundo turno de até R$ 8 milhões nos Estados só para a disputa presidencial, mas o valor agora já foi revisto para R$ 25 milhões. É por conta desta diferença, segundo Filippi, que o montante global precisou ser reavaliado.

 

Das doações arrecadadas no primeiro turno, de acordo com o tesoureiro, quase 60% foram utilizadas para gastos com a propaganda eleitoral em TV e rádio e com material de publicidade. No mês de setembro a campanha de Dilma fez um repasse à União de aproximadamente R$ 1 milhão para cobrir gastos com deslocamentos do presidente Lula para eventos da campanha.

 

O investimento maior do comitê financeiro será feito nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia, Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso.

 

Segundo o tesoureiro, o PMDB passou a assumir mais atribuições no segundo turno, sobretudo nos Estados onde o partido é mais forte e organizado, como Rio Grande do Sul e Santa Catarina, o que explica a elevação dos custos de campanha.

 

A reestimativa do custo total da campanha de Dilma já foi feita formalmente ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.