José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

'PT pragmático' amplia sua hegemonia

Com apoio de Lula, Rui Falcão é reeleito presidente da sigla com votação recorde e deve submeter alianças estaduais a projeto de Dilma

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

12 de novembro de 2013 | 22h48

O quinto Processo de Eleição Direta (PED) do PT terminou nesta terça-feira, 12, com uma vitória consagradora do pragmatismo eleitoral, mas escancarou a perda de entusiasmo da militância com a vida partidária. Ungido pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, o deputado estadual paulista Rui Falcão foi anunciado vencedor da disputa interna no meio da tarde, quando ainda faltavam 20% das urnas para serem apuradas.

Ele recebeu 70% dos votos válidos dos petistas, o que significa a maior votação que um presidente do PT já recebeu desde a instituição das eleições diretas internas em 2001. Por outro lado, o comparecimento às urnas foi significativamente menor. No último PED, realizado em 2009, 520.417 petistas votaram. Em 2013 foram 367.298. Esse número deve aumentar até que as últimas urnas sejam conferidas, o que não aconteceu até o fechamento desta edição.

Mas certamente não chegará perto do resultado que elegeu José Eduardo Dutra em 2009.

Falcão, que comandará a máquina partidária petista até dezembro de 2017, não fez concessões à linha pragmática implementada por José Dirceu em 2001 e foi o único entre os seis postulantes que defendeu enfaticamente durante a campanha a prioridade total da aliança entre PT e PMDB. Seus adversários revelam que nunca antes na história do partido o ex-presidente Lula se engajou tanto em uma eleição interna.

"A costura da chapa do Rui Falcão foi feita pelo Instituto Lula. Essa nova direção é mais alinhada e tem um grau de aderência maior com o ex-presidente", diz Markus Sokol, que disputou o PED pela corrente "O Trabalho". Pela primeira vez desde a fundação do PT, Lula participou ativamente de uma campanha interna.

Salomônico. Rui Falcão disse ontem que a crise com o PMDB, que ameaça se desgarrar do PT nas eleições estaduais, está equacionada. "O quadro está mapeado e o processo será civilizado e sem rupturas. Em vários Estados teremos duas candidaturas", afirmou.

Além do embate com os peemedebistas, em vários Estados, como Goiás, Espírito Santo e Amapá, os diretórios regionais petistas têm planos que não coincidem com a estratégia nacional. Para ajustar a "sintonia fina" e evitar intervenções, Falcão convocou uma reunião para o próximo dia 2, em São Paulo, com todos os presidentes estaduais do partido eleitos no PED. "Queremos avaliar onde há descompasso e falta de sintonia", disse.

Um dos casos mais emblemáticos é o do Maranhão, onde o PT está dividido entre apoiar o PMDB de Roseana Sarney e a candidatura de Flávio Dino, do PC do B ao governo. A solução no Estado, segundo Falcão, pode ser "salomônica": o PT apoiaria Roseana para o Senado e Flávio Dino para governador.

A crise entre o ex-prefeito Gilberto Kassab, presidente do PSD, e o atual, Fernando Haddad (PT), foi minimizada pelo presidente do PT, Falcão revelou que está articulando com Kassab um grande evento ainda esse ano para formalizar o embarque oficial do PSD na coligação eleitoral da presidente Dilma Rousseff.

Tudo o que sabemos sobre:
Rui FalcãoPTeleições internas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.